Sou Enfermagem

São Luís registra mais de 700 casos de tuberculose

São Luís registra mais de 700 casos de tuberculose

Atrás somente da AIDS como a doença infecciosa que mais mata, conforme a OMS, a tuberculose possui no Brasil cerca de 70 mil novos casos registrados por ano.

São Luís registra mais de 700 casos de tuberculose

Como uma das doenças que mais causa morte por ano em todo o mundo segundo dados da Organização Mundial da Saúde (cerca de 1,3 milhão), a tuberculose ainda é desconhecida para muitas pessoas. Como forma de alertar a população sobre o assunto, será comemorada na amanhã, 24, o Dia Mundial de Combate à Tuberculose.

A data foi estipulada para intensificar as ações de conscientização, prevenção e tratamento da doença, que em São Luís foram diagnosticados 733 casos em 2013 segundo informações do Programa Municipal de Controle da Tuberculose. A meta do município é reduzir a taxa de mortalidade, que gira em torno de 4%.

Atrás somente da AIDS como a doença infecciosa que mais mata, conforme a OMS, a tuberculose possui no Brasil cerca de 70 mil novos casos registrados por ano. Especialistas apontam a desinformação como a principal causa da proliferação da doença. “Muitas pessoas ainda não sabem como é a doença, só sabem que ela é grave. Assim, as pessoas não buscam informação sobre o assunto e acabam obtendo uma visão muitas vezes equivocada e até mesmo preconceituosa”, afirma o cirurgião torácico Armando da Veiga.

A tuberculose é uma doença curável em praticamente 100% dos casos novos, portanto quanto mais cedo o diagnóstico for feito, melhor para a saúde do paciente. Como forma de identificar precocemente a doença, reduzir os índices de mortalidade conscientizar a sociedade, um novo serviço para diagnóstico de tuberculose será instalado na rede municipal de saúde, o Teste Rápido Molecular para Tuberculose (TRM-TB), que é capaz de detectar em duas horas a presença do bacilo de Koch, transmissor da doença. “A melhora significativa pode acontecer logo no início do tratamento, por isso é imprescindível que o indivíduo não interrompa o tratamento, ainda que os efeitos colaterais da medicação sejam desestimulantes”, explica o especialista.

O trabalho de conscientização e prevenção deve ser aplicado com rigor, especialmente no Brasil que, segundo a OMS, despontou a partir de 2010 entre as 22 nações que concentram 82% dos casos de tuberculose no mundo. “Quanto menor e fechado o ambiente, com pouca ventilação, maior será a incidência da doença, que é transmitida oralmente. Um exemplo é o grande número de casos em instituições carcerárias, especialmente, em cidades mais pobres”, alerta Armando.

Teste rápido molecular para tuberculose (TRM-TB)
A expectativa é de que o novo serviço seja disponibilizado à população no início do segundo semestre por meio de profissionais treinados pelo Ministério da Saúde. O teste identifica de forma rápida e precisa a presença do bacilo de Koch, transmissor da doença, com um risco mínimo de contaminação, uma vez que a análise é totalmente automatizada. Até então o diagnóstico laboratorial é feito pela baciloscopia do escarro, no qual o resultado leva 24 horas e outros 60 dias para a análise da cultura de identificação de microbactérias. O teste pode identificar também a resistência ou não do paciente à rifampicina, antibiótico mais usado no tratamento da tuberculose, facilitando a prescrição mais ágil e correta do tratamento da doença.

Transmissão

Ocorre oralmente, por meio de gotículas de saliva contendo o agente infeccioso, Mycobacterium tuberculosis ou bacilo de Koch, sendo maior o risco de transmissão durante contatos prolongados em ambientes fechados e com pouca ventilação. O sistema imunológico é capaz de impedir o desenvolvimento da doença, fazendo com que as pessoas que possuem um sistema menos resistente se tornem mais propensas a adquirir esta doença.

Sintomas

Os sintomas podem ser semelhantes aos da gripe, com tosse seca e contínua. Posteriormente surge a produção de secreção e com tosse de duração de mais de quatro semanas, sudorese noturna, cansaço excessivo, palidez, falta de apetite e rouquidão são os sintomas da doença. O paciente pode ainda ter dificuldade na respiração, eliminação de sangue e acúmulo de pus na pleura pulmonar são característicos em casos mais graves.

Diagnóstico

Feito via análise dos sintomas e radiografia do tórax. Para confirmar a doença são feitos exames laboratoriais das secreções pulmonares e escarro do indivíduo.

Tratamento

À base de antibióticos com duração de aproximadamente seis meses e que não pode ser interrompido (os efeitos colaterais, como enjoos, vômitos, indisposição, etc. podem despertar a vontade de interromper o tratamento). As medicações são distribuídas gratuitamente pelo sistema de saúde, através de seus postos municipais de atendimento. Além de evitar locais fechados, aglomerados e com pouca ventilação, a vacina BCG é utilizada a prevenção da tuberculose e deve ser aplicada em todos os recém-nascidos.


Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 14/03/2017

Gostou? Deixe seu comentário.

VOCÊ TAMBÉM PODE FAZER UMA PESQUISA