Sou Enfermagem

Queloide ou cicatriz hipertrófica? Saiba as diferenças

Queloide ou cicatriz hipertrófica? Saiba as diferenças

Tanto a queloide quanto a cicatriz hipertrófica são cicatrizações anormais da pele.

 Porém, costumamos chamar de queloide todo machucado que não cicatriza completamente ou fica com aquela aparência desagradável, contrastando com a pele sem ferimentos. A diferença é que a queloide costuma ultrapassar o limite do trauma e criar pele além de onde foi o ferimento. Já a cicatriz hipertrófica fica nos limites da ferida, podendo até regredir posteriormente.

Diferente da cicatriz hipertrófica, a queloide pode incomodar e crescer ainda durante alguns anos. Isso porque existe ali um tecido ainda vivo em constante atividade, formando novos tecidos e repuxando a pele. A dermatologista Tatiana Jerez é quem nos explica essas diferenças. Ela afirma que queloide vem da predisposição genética das pessoas. “Não existe nada que a pessoa tenha feito ao longo da vida para desenvolver queloide. Ela já nasce com isso. Em geral, existe um histórico familiar”, ressalta a dermatologista.

Aos 16 anos, Thamires Oliveira, hoje com 22, foi fazer um furo na orelha e a cicatrização começou a criar um volume que foi crescendo até ficar aproximadamente do tamanho de uma azeitona. “Incomodava quando eu ia ao salão de beleza fazer o cabelo e as pessoas perguntavam ou ficavam olhando curiosas. No verão era horrível”, explica Thamires. Ela conta que sua mãe também desenvolveu duas queloides em duas cirurgias.

Mais comum em pessoas negras, a queloide, segundo a especialista, geralmente começa a aparecer na adolescência e provavelmente sempre irá se manifestar em um novo ferimento. Além de nem sempre surgir de um trauma, pois pode surgir a partir de um furo na orelha ou de uma espinha. “O pior da queloide é quando se formam sem a pessoa se dar conta. Como, por exemplo, a espinha. Às vezes a pessoa estoura uma espinha e quando viu já se formou a queloide”, ressalta a dermatologista.

E se - sabendo que tem queloide - você sofre um novo ferimento? “O ideal é procurar um dermatologista ou cirurgião plástico. Orientamos que não haja tração no lugar do ferimento, mexendo no local o menos possível. Existem também curativos especiais - fitas de silicone - que colocamos. Eles inibem a formação da cicatriz.”, comenta Tatiana.

Sobre os tratamentos para reduzir as queloides, a especialista cita a infiltração de corticoide no local da cicatriz como sendo a mais convencional. Hoje também existem tratamentos a laser, que sendo feitos precocemente podem alcançar bons resultados, garante a médica Tatiana.

Porém, em alguns casos a cicatriz é tão grande que se recomenda a cirurgia para removê-la. Este foi o caso de Thamires. Ela fez infiltrações de corticoides e a cirurgia para retirar a queloide. “Hoje estou muito feliz com o resultado. Tenho orelhas novas. Sinto-me livre e posso prender o cabelo, coisa que eu não fazia em público por ter vergonha”, comemora a jovem. Thamires nunca mais furou a orelha. Agora, usa somente brincos de pressão para evitar a volta da queloide.




Postado por: | Publicado em: 05/04/2015

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi