Sou Enfermagem

Menor risco de ataque cardíaco em pessoas com sangue tipo O, segundo estudo


Autor: Raimundo Renato da Silva Neto | Publicado em: 10/01/2017

Menor risco de ataque cardíaco em pessoas com sangue tipo O, segundo estudo

As pessoas com grupo sanguíneo O têm um menor risco de ataques cardíacos do que aqueles com os outros três grandes grupos sanguíneos, A, B e AB, de acordo com pesquisa apresentada no domingo em uma conferência científica na Europa.

Ter um grupo sanguíneo não-O está associado a um risco 9% maior de problemas cardíacos, especialmente ataques cardíacos, disse a pesquisadora Tessa Kole em um comunicado à imprensa sobre o estudo.

No entanto, a taxa de mortalidade por problemas cardíacos foi a mesma entre pessoas com grupos sanguíneos O e não-O.

A pesquisa foi apresentada no Heart Failure 2017 e no Congresso Mundial sobre Insuficiência Cardíaca Aguda, realizado pela Sociedade Europeia de Cardiologia, em Paris, França. Registros de mais de 700.000 pessoas foram examinados para o estudo.

Pesquisas anteriores sugeriram que a doença coronariana é significativamente menor naqueles com grupo sanguíneo O, o tipo sanguíneo mais comum.

Isso inclui um estudo de 2015 na BMC Medicine e um estudo de 2012 em Arteriosclerose, Trombose e Biologia Vascular.

"Estudos anteriores sugerem que o tipo sanguíneo A está ligado a níveis mais altos de LDL (" mau ") colesterol, e que o tipo sanguíneo AB está vinculado à inflamação, que também está ligada a doenças cardíacas", segundo um artigo da WebMD sobre o Estudo de 2012.

Os quatro grupos sanguíneos principais são determinados pela presença ou ausência de dois antígenos, A e B. O Grupo AB possui ambos, e o Grupo O não possui nenhum, enquanto o Tipo A e o Tipo B possuem os respectivos antígenos. Aqueles com um antígeno não podem seguramente receber sangue contendo o outro antígeno.

Como o sangue do Grupo O carece dos antígenos, aqueles com o mesmo são considerados “doadores universais”, já que seu sangue é compatível com os outros três grupos sanguíneos. As pessoas do Grupo AB são "recipientes universais", porque podem receber com segurança todos os quatro tipos de sangue.

Receber sangue incompatível pode fazer com que o sistema imunológico de um paciente ataque as células do sangue doadas, uma condição potencialmente fatal chamada reação transfusional hemolítica. Reações alérgicas mais comuns são mais leves, mas ainda desconfortáveis, como coceira, febre, calafrios e urticária.

Um terceiro e um pouco menos importante antígeno, o Rh, está presente cerca de 85% do tempo nos americanos. Isso resulta em oito grupos sanguíneos.

Dar sangue Rh positivo a um paciente Rh negativo geralmente é evitado, mas foi feito em emergências com bons resultados. O desenvolvimento de uma reação pode ser retardado, o que significa que, enquanto a primeira transfusão pode ser tolerada, uma segunda provocará uma reação imune.

O sangue também pode ser dividido em muitos subgrupos menores, que são de menor importância na determinação da compatibilidade.

REFERÊNCIA

Bradley J. Fikes. Menor risco de ataque cardíaco em pessoas com sangue tipo O, segundo estudo. Tradução: Raimundo Renato da Silva Neto. São Luís: Instituto Brasileiro Sou Enfermagem 2017. Título original: Lower risk of heart attack in those with blood type O, study finds

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi