Sou Enfermagem

Pesquisa aponta os fatores que influenciam para o risco de suicídio na enfermagem

Autor: Sou Enfermagem Em: 20/06/2019

Pesquisa aponta os fatores que influenciam para o risco de suicídio na enfermagem

Estudos revelaram que enfermeiros apresentam alto risco para o suicídio. 

Registros apontam que em alguns países o risco de suicídio entre os enfermeiros é maior do que na população geral, a exemplo da Dinamarca, Austrália, e Nova Zelândia, enquanto na Noruega apresentam uma prevalência de suicídio consumado maior do que em outros profissionais da saúde. Encontram-se como fatores de risco: a depressão, baixa realização pessoal e Síndrome de Burnout.

Depressão

O risco de suicídio correlacionou-se positiva e  significativamente com a depressão. Estudos mostraram que a prevalência de sintomatologia depressiva é mais acentuada entre os profissionais da enfermagem. Ao utilizar a técnica de reconstrução diagnóstica conhecida (autópsia psicológica), percebeu-se que o transtorno psiquiátrico é um dos maiores fatores de risco para o suicídio e que o comportamento suicida é bastante frequente entre a maioria dos grupos de pessoas com diagnósticos psiquiátricos, sendo o transtorno depressivo maior o mais prevalente entre as vítimas de suicídio.

Baixa realização pessoal

Estudos revelaram que há uma correlação entre risco de suicídio e realização pessoal. Quanto menos o enfermeiro estiver realizado com o exercício de sua profissão, mais lhe aparecerá respostas negativas para consigo mesmo e seu trabalho, sintomas como baixa autoestima, irritabilidade, diminuição do interesse pela atividade sexual, falta de apetite, evitação de relação interpessoal com os colegas, sentimentos autopunitivos, baixa produtividade, desinteresse pelo trabalho e depressão, com muita probabilidade de aumentar o risco de suicídio. Em contrapartida, ocorreu correlação negativa e significativa entre o risco para o suicídio com a autoestima elevada e a realização pessoal.

Referências

1. Barbosa KKS, Vieira KFL, Alves ERP, Virgínio NA. Sintomas depressivos e ideação suicida em enfermeiros e médicos da assistência
hospitalar. Rev Enferm UFSM [Internet]. 2012 [citado 2014 out. 14]; 2(3):515-522.
2. World Health Organization. Preventing suicide: a global imperative. Geneva: WHO: 2014
3. World Health Organization. Comprehensive mental health action plan 2013-2020. Geneva: WHO; 2013.
4. Heck RM, Kantorski LP, Borges AM, Lopes CV, Santos MC, Pinho LB. Ação dos profissionais de um centro de atenção psicossocial diante
de usuários com tentativa e risco de suicídio. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2012 [citado 2014 out. 24]; 21(1):26-33.  
5. Rios KA, Barbosa DA, Belasco AGS. Evaluation of quality of life and depression in nursing technicians and nursing assistants. Rev Latino
Am Enfermagem [Internet]. 2010 [cited 2014 Oct 12];18(3):413-20.  
6. Vieira TG, Beck CLC, Dissen CM, Camponogara S, Gobatto M, Coelho APF. Adoecimento e uso de medicamentos psicoativos entre
trabalhadores de enfermagem de unidades de terapia intensiva. Rev Enferm UFSM [Internet]. 2013 [citado 2014 out. 14];3(2):205-14.
7. Bromet E, Andrade LH, Hwang I, Sampson NA, Alonso J, Girolamo G, et al. Cross-national epidemiology of DSM-IV major depressive
episode. BMC Med [Internet]. 2011 [cited 2014 Oct 25];9:90. 

Cursos Online: Quer melhorar o seu currículo e se destacar no mercado de trabalho? Então clique aqui e faça um curso online conosco



Deixe o seu comentário

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi