Sou Enfermagem

Nova Regra para Passagem de Sonda

Nova Regra para Passagem de Sonda

A Resolução nº 450/2013, publicada em dezembro pelo COFEN - Conselho Federal de Enfermagem, estabelece as competências da equipe de Enfermagem em relação ao procedimento de Sondagem Vesical (introdução de cateter estéril, através da uretra até a bexiga, para drenar a urina).

Segundo o Parecer Normativo, aprovado pela Resolução, a inserção de cateter vesical é função privativa do Enfermeiro, em função dos seus conhecimentos científicos e do caráter invasivo do procedimento, que envolve riscos ao paciente, como infecções do trato urinário e trauma uretral ou vesical.

O Parecer ressalta que ao Técnico de Enfermagem compete a realização das atividades prescritas pelo Enfermeiro no planejamento da assistência, a exemplo de monitoração e registro das queixas do paciente e condições do sistema de drenagem, do débito urinário; manutenção de técnica limpa durante o manuseio do sistema de drenagem e coleta de urina para exames; monitoração do balanço hídrico – ingestão e eliminação de líquidos, sempre sob supervisão e orientação do Enfermeiro.

A Resolução é fruto da Oficina sobre Prática Profissional, com foco em Sondagem Vesical, realizada no COFEN, em março de 2012. Na ocasião, foi listada uma série de recomendações – que constam do Parecer Normativo – sobre os protocolos, práticas de assepsia, insumos e materiais utilizados no procedimento, além das competências dos profissionais envolvidos. 

Durante a Oficina, também foi abordada a necessidade de educação permanente da equipe de Enfermagem, para realização segura e competente da Sondagem Vesical, que deve ser realizada por profissionais de comprovada experiência, tanto da prática acadêmica como assistencial.


ANEXO


PARECER NORMATIVO PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM
SONDAGEM VESICAL


I. OBJETIVO


Estabelecer diretrizes para atuação da equipe de enfermagem em sondagem vesical visando à efetiva segurança do paciente submetido ao procedimento.


II. COMPETÊNCIAS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM SONDAGEM VESICAL


A sondagem vesical é um procedimento invasivo e que envolve riscos ao paciente, que está sujeito a infecções do trato urinário e/ou a trauma uretral ou vesical. Requer
cuidados de Enfermagem de maior complexidade técnica, conhecimentos de base científica e capacidade de tomar decisões imediatas e, por essas razões, no âmbito da
equipe de Enfermagem, a inserção de cateter vesical é privativa do Enfermeiro, que deve imprimir rigor técnico-científico ao procedimento. 

Ao Técnico de Enfermagem, observadas as disposições legais da profissão, compete a realização de atividades prescritas pelo Enfermeiro no planejamento da assistência, a exemplo de monitoração e registro das queixas do paciente, das condições do sistema de drenagem, do débito urinário; manutenção de técnica limpa durante o manuseio do sistema de drenagem, coleta de urina para exames; monitoração do balanço hídrico – ingestão e eliminação de líquidos; sob supervisão e orientação do Enfermeiro.


O procedimento de Sondagem Vesical deve ser executado no contexto do Processo de Enfermagem, atendendo-se às determinações da Resolução Cofen nº 358/2009 e aos
princípios da Política Nacional de Segurança do Paciente, do Sistema Único de Saúde.


III. RECOMENDAÇÕES DA OFICINA SOBRE PRÁTICA PROFISSIONAL – SONDAGEM
VESICAL


  • Durante a Oficina sobre a Prática Profissional, ocorrida no Cofen em março de 2012, focalizando o procedimento de Sondagem Vesical, considerou-se que a execução do
    procedimento de Sondagem Vesical requer as seguintes ações da equipe de enfermagem, observadas as disposições legais da profissão sobre competências:
  •  Elaborar, rever e atualizar protocolos em conjunto com o CCIH e demais membros da equipe multidisciplinar, sobre cateterismo vesical, segundo evidências científicas;
  • Participar do processo de aquisição do cateter vesical, da bolsa coletora e demais insumos necessários ao procedimento;
  • Garantir que somente profissional Enfermeiro treinado faça a inserção dos
    dispositivos urinários;
  • Garantir que os suprimentos necessários para uma técnica asséptica de inserção do cateter estejam disponibilizados;
  • Escolher cateter de menor calibre possível, que garanta a drenagem adequada, a fim de minimizar ocorrências de trauma;
  • Seguir práticas assépticas durante a inserção e manipulação do cateter vesical;
  • Encher o balão de retenção com água destilada, pois as soluções salinas, ou que contenham outros eletrólitos, trazem risco de cristalização após longos
    períodos, o que pode dificultar a deflação no momento da retirada do cateter;
  • Higienizar as mãos antes, durante e após a inserção e manipulação do cateter vesical;
  • Utilizar um sistema de drenagem urinária que possa garantir sua esterilidade, como um todo, com o uso de bolsas plásticas descartáveis, munidas de alguns
    dispositivos que visam diminuir ainda mais a incidência de infecção urinária, como válvula antirrefluxo, câmara de gotejamento e local para coleta de urina,
    de látex auto-retrátil, para exames;
  • O sistema cateter-tubo coletor não deve ser aberto e, se necessário, manusear com técnica asséptica;
  • Manter a bolsa coletora abaixo do nível de inserção do cateter, evitando
    refluxo intravesical de urina;
  • Obedecer a critérios determinados no protocolo para troca do cateter vesical;
  • Manter fluxo de urina descendente e desobstruído, exceto para os casos pontuais de coleta de urina para análise;
  • Realizar coleta de amostras de urina para análise com técnica asséptica;
  • Registrar o procedimento realizado no prontuário do paciente, segundo normas da instituição e respectivos conselhos, devendo minimamente conter:
    data e hora da inserção do cateter, identificação completa do profissional que
    realizou o procedimento e data e horário da remoção do cateter;
  • Substituir o sistema de drenagem, quando houver quebra na técnica asséptica, desconexão ou vazamento;
  • Revisar regularmente a necessidade de manutenção do dispositivo,
    removendo-o logo que possível;
    Identificar e monitorar os grupos de pacientes susceptíveis a Infecção do Trato Urinário.


Na Oficina sobre Prática profissional, foram recomendados os seguintes indicadores de monitoramento da Sondagem Vesical, objetivando auferir a qualidade da assistência e
as atividades dos serviços:

 

Durante a Oficina sobre Prática Profissional, também se abordou a necessidade de educação permanente da equipe de enfermagem, para realização segura e
competente da Sondagem Vesical, o que deve ser realizado por profissionais de comprovada experiência, tanto da prática acadêmica como da assistencial, tendo por
base as evidências científicas mais atualizadas.


IV. REFERÊNCIAS

Fonseca, Patrícia de Cássia Bezerra – Infecção do trato urinário associada à
sondagem vesical numa unidade de terapia intensiva / Patrícia Bezerra Fonseca
– Natal, 2009 – 98 f.: II. Acesso em 15/01/2013
Décio Diament, Reinaldo Salomão, Otelo Rigatto, Brenda Gom, Eliezer Silva,
Noêmia Barbosa Carvalho, Flavia Ribeiro Machado. Diretrizes para tratamento
da sepse grave/choque séptico – abordagem do agente infeccioso – diagnostic.
Ver Bras Ter Intensiva, 2011; 23(2): 134-144.

 

Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 08/04/2015

Gostou? Deixe seu comentário.

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi