Sou Enfermagem

Florence Nightingale

Florence Nightingale

Florence Nightingale foi uma figura pioneira em enfermagem que afetou muito as políticas dos séculos XIX e XX em torno do cuidado adequado. Ela era conhecida por suas rondas noturnas para ajudar os feridos, estabelecendo sua imagem como a "Senhora da Lâmpada".

Quem foi Florence Nightingale?

Florence Nightingale nasceu em Florença, na Itália, em 12 de maio de 1820. Parte de uma família rica, Nightingale desafiou as expectativas da época e seguiu o que considerou como seu chamado de enfermagem dado por Deus. Durante a Guerra da Criméia, ela e uma equipe de enfermeiras melhoraram as condições insalubres em um hospital de base britânico, reduzindo bastante a contagem de mortes. Seus escritos provocaram a reforma mundial da saúde e, em 1860, ela criou o St. Thomas 'Hospital e a Nightingale Training School for Nurses. Um herói reverenciado de seu tempo, ela morreu em 13 de agosto de 1910, em Londres.

Antecedentes e vida adiantada

Florence Nightingale nasceu em 12 de maio de 1820, em Florença, na Itália, a cidade que inspirou seu nome. A mais jovem de duas filhas, Nightingale era parte de um clã britânico afluente que pertencia aos círculos sociais de elite. Sua mãe, Frances Nightingale, vinha de uma família de comerciantes e se orgulhava de se socializar com pessoas de posição proeminente. Apesar dos interesses de sua mãe, a própria Florence foi supostamente desajeitada em situações sociais e preferiu evitar ser o centro das atenções sempre que possível. Com força de vontade, frequentemente batia cabeça com a mãe, a quem ela via como excessivamente controladora.

O pai de Florence era William Edward Nightingale (tendo mudado seu sobrenome original, "Shore"), um rico proprietário de terras que estaria associado a duas propriedades - uma em Lea Hurst, Derbyshire e a outra em Embly, Hampshire. Florença recebeu uma educação clássica, incluindo estudos em matemática junto com alemão, francês e italiano.

Desde tenra idade, Nightingale era ativo em filantropia, ministrando aos doentes e pobres da aldeia vizinha ao patrimônio de sua família. Nightingale finalmente chegou à conclusão de que a enfermagem era sua vocação; ela acreditava que a vocação era seu propósito divino.

Quando Nightingale se aproximou dos pais e contou-lhes sobre suas ambições de se tornar enfermeira, eles não ficaram satisfeitos e proibiram-na de buscar um treinamento adequado. Durante a era vitoriana, onde as mulheres inglesas quase não tinham direitos de propriedade, esperava-se que uma jovem da estatura social de Nightingale se casasse com um homem de meios para garantir sua posição de classe - não aceitar um emprego que fosse visto pelas classes sociais superiores como humilde trabalho braçal.

Em 1849, Nightingale recusou uma proposta de casamento de um cavalheiro "adequado", Richard Monckton Milnes, que a perseguiu durante anos. Ela explicou seu motivo para rejeitá-lo, dizendo que, enquanto ele a estimulava intelectualmente e romanticamente, sua "natureza moral ... ativa" exigia algo além da vida doméstica. (Um biógrafo sugeriu que a rejeição do casamento com Milnes não era, de fato, uma recusa total.) Determinada a perseguir seu verdadeiro chamado apesar das objeções de seus pais, Nightingale acabou matriculada como estudante de enfermagem em 1850 e 1951 na Instituição Protestante. Diaconisas em Kaiserswerth, Alemanha.

Guerra da Crimeia

No início da década de 1850, Nightingale retornou a Londres, onde ela trabalhou como enfermeira em um hospital da Harley Street para governantas doentes. Sua performance lá impressionou tanto seu empregador que Nightingale foi promovido a superintendente. Nightingale também se ofereceu em um hospital de Middlesex por volta dessa época, enfrentando um surto de cólera e condições insalubres que levaram à rápida disseminação da doença. Nightingale cumpriu sua missão de melhorar as práticas de higiene, diminuindo significativamente a taxa de mortalidade no hospital durante o processo.

Em outubro de 1853, a Guerra da Criméia começou. Forças britânicas e francesas aliadas estavam em guerra contra o Império Russo pelo controle do território otomano. Milhares de soldados britânicos foram enviados para o Mar Negro, onde os suprimentos rapidamente diminuíram. Em 1854, nada menos que 18.000 soldados tinham sido admitidos em hospitais militares.

Na época, não havia enfermeiras estacionadas em hospitais na Crimeia. Após a Batalha de Alma, a Inglaterra estava em alvoroço pela negligência de seus soldados doentes e feridos, que não só não dispunham de assistência médica suficiente, devido a hospitais estarem horrivelmente insuficientes, mas também enfraqueceram em péssimas condições insalubres.

Enfermeira pioneira

No final de 1854, Nightingale recebeu uma carta do Secretário de Guerra Sidney Herbert, pedindo-lhe para organizar um corpo de enfermeiras para cuidar dos soldados doentes e mortos na Criméia. Dado o controle total da operação, ela rapidamente reuniu uma equipe de quase três dúzias de enfermeiras de uma variedade de ordens religiosas e navegou com elas até a Crimeia apenas alguns dias depois.

Embora tivessem sido avisados das horríveis condições lá, nada poderia ter preparado Nightingale e suas enfermeiras para o que viram quando chegaram a Scutari, o hospital de base britânico em Constantinopla. O hospital ficava em cima de uma grande fossa que contaminava a água e o próprio edifício. Os pacientes jaziam em seus próprios excrementos em macas espalhadas pelos corredores. Roedores e insetos passaram correndo por eles. Os suprimentos mais básicos, como ataduras e sabonetes, ficaram cada vez mais escassos à medida que o número de doentes e feridos aumentava constantemente. Até a água precisava ser racionada. Mais soldados estavam morrendo de doenças infecciosas como febre tifoide e cólera do que de ferimentos sofridos em batalhas.

O no-nonsense Nightingale rapidamente começou a trabalhar. Ela conseguiu centenas de escovas e pediu aos pacientes menos enfermos que esfregassem o interior do hospital do chão ao teto. Nightingale passou todos os minutos acordados cuidando dos soldados. À noite, ela se movia pelos corredores escuros carregando uma lâmpada enquanto fazia as rondas, ministrando para paciente após paciente. Os soldados, que foram movidos e consolados por seu interminável suprimento de compaixão, começaram a chamá-la de "a senhora com a lâmpada". Outros simplesmente a chamavam de "o Anjo da Crimeia". Seu trabalho reduziu a taxa de mortalidade do hospital em dois terços.

Além de melhorar enormemente as condições sanitárias do hospital, Nightingale instituiu uma "cozinha inválida" onde era preparado um alimento atraente para pacientes com necessidades dietéticas especiais. Ela também estabeleceu uma lavanderia para que os pacientes tivessem lençóis limpos. bem como uma sala de aula e biblioteca para estímulo intelectual e entretenimento.

Reconhecimento e Apreciação

Nightingale permaneceu em Scutari por um ano e meio. Ela partiu no verão de 1856, quando o conflito da Criméia foi resolvido, e voltou para sua casa de infância em Lea Hurst. Para sua surpresa, ela foi recebida com uma recepção de herói, que a humilde enfermeira fez o melhor que pôde para evitar. No ano anterior, a rainha Vitória havia recompensado o trabalho de Nightingale, apresentando-lhe um broche gravado que veio a ser conhecido como a "Jóia Rouxinol" e concedendo-lhe um prêmio de 250 mil dólares do governo britânico.

Nightingale decidiu usar o dinheiro para promover sua causa. Em 1860, ela financiou a criação do Hospital St. Thomas, e dentro dela, a Escola de Treinamento Nightingale para Enfermeiros. Nightingale tornou-se uma figura de admiração pública. Poemas, canções e peças foram escritas e dedicadas em honra da heroína. As mulheres jovens aspiravam a ser como ela. Ansiosa para seguir seu exemplo, até mesmo as mulheres das classes mais abastadas começaram a se matricular na escola de treinamento. Graças a Nightingale, a enfermagem já não era desaprovada pelas classes superiores; De fato, ela passou a ser vista como uma vocação honrosa.

Com base em suas observações durante a Guerra da Criméia, Nightingale escreveu Notas sobre Assuntos que Afetam a Saúde, Eficiência e Administração Hospitalar do Exército Britânico, um relatório massivo publicado em 1858, analisando sua experiência e propondo reformas para outros hospitais militares. Sua pesquisa provocaria uma reestruturação total do departamento administrativo do Ministério da Guerra, incluindo o estabelecimento de uma Comissão Real para a Saúde do Exército em 1857. Nightingale também foi notado por suas habilidades em estatística, criando gráficos torta de pacientes sobre mortalidade de pacientes em Scutari. influenciar a direção da epidemiologia médica.

Vida mais tarde

Enquanto em Scutari, Nightingale havia contraído a brucelose bacteriana, também conhecida como febre da Crimeia, e nunca se recuperaria totalmente. No momento em que ela tinha 38 anos de idade, ela estava em casa e rotineiramente acamada, e seria assim para o restante de sua longa vida. Ferozmente determinada e dedicada como sempre a melhorar os cuidados de saúde e aliviar o sofrimento dos pacientes, Nightingale continuou seu trabalho de sua cama.

Residindo em Mayfair, ela continuou sendo uma autoridade e defensora da reforma da saúde, entrevistando políticos e recebendo visitantes ilustres de sua cama. Em 1859, publicou Notas sobre Hospitais, que se concentravam em como administrar corretamente hospitais civis.

Ao longo da Guerra Civil dos EUA, ela foi frequentemente consultada sobre a melhor forma de gerenciar hospitais de campanha. Nightingale também serviu como uma autoridade em questões de saneamento público na Índia para os militares e civis, embora ela nunca tenha estado na Índia.

Em 1907, ela foi conferida a Ordem do Mérito pelo Rei Edward, e recebeu a Liberdade da Cidade de Londres no ano seguinte, tornando-se a primeira mulher a receber a honra. Em maio de 1910, ela recebeu uma mensagem comemorativa do rei George em seu aniversário de 90 anos.

Morte e Legado

Em agosto de 1910, Florence Nightingale adoeceu, mas pareceu recuperar e estava de bom humor. Uma semana depois, na noite de sexta-feira, 12 de agosto de 1910, ela desenvolveu uma série de sintomas preocupantes. Ela morreu inesperadamente por volta das 2 da tarde. no dia seguinte, sábado, 13 de agosto, em sua casa em Londres.

Caracteristicamente, ela havia expressado o desejo de que seu funeral fosse um assunto calmo e modesto, apesar do desejo do público de honrar Nightingale - que incansavelmente dedicou sua vida a prevenir doenças e garantir tratamento seguro e compassivo para os pobres e os sofredores. Respeitando seus últimos desejos, seus parentes recusaram um funeral nacional. A "Senhora da Lâmpada" foi enterrada no terreno da sua família na Igreja de St. Margaret, East Wellow, em Hampshire, Inglaterra.

O Museu Florence Nightingale, que fica no local da Escola de Treinamento de Enfermagem Nightingale original, abriga mais de 2.000 artefatos comemorando a vida e a carreira do "Anjo da Crimeia". Até hoje, Florence Nightingale é amplamente reconhecida e reverenciada como a pioneira da enfermagem moderna.


REFERÊNCIAS

CARRARO, T. E. Resgatando Florence Nightingale: a trajetória da enfermagem junto ao ser humano e sua família na prevenção de infecções. Revista Brasileira Enfermagem,
Brasília, v. 48, n. 4, p. 448-449, dez. 1995.

GEORGE, J. B. Teorias de enfermagem: dos fundamentos para à prática profissional. 4. ed. Porto Alegre: Artes
Médicas Sul, 2000.

GRAAF, K. R. Florencia Nightingale: enfermeria moderna. Teorias y Modelos de Enfermeria, Barcelona, v. 4, n.
92, p. 35-39, jun. 1989.

NIGHTINGALE, F. Notas sobre enfermagem: o que é e o que não é. São Paulo: Cortez, 1989. OGUISSO, T. Florence Nightingale: trajetória histórica e
legal da enfermagem. São Paulo: Manole, 2005.


  • florence- (3) (1).jpg
  • florence- (3) (1).jpg

Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 31/07/2018

Gostou? Deixe seu comentário.

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi