Sou Enfermagem

Edema Agudo de Pulmão na Emergência

Edema Agudo de Pulmão na Emergência

O edema agudo de pulmão (EAP) é um quadro clínico originado por outros agravos, que requer ação imediata da equipe multiprofissional em virtude de instabilidade hemodinâmica, podendo levar ao óbito.


O EAP pode ser desencadeado por patologias cardiogênicas, como insuficiência cardíaca, principalmente a insuficiência cardíaca esquerda, coronariopatias, valvopatias, arritmias e crise hipertensiva; ou não cardiogênicas como a hipoxemia, afecções respiratórias em que haja diminuição da complacência pulmonar e alterações da relação ventilação perfusão. Caracterizam-se por acúmulo de líquidos, que extravasam dos capilares para o espaço intersticial e alveolar quando há saturação da drenagem linfática, resultando em prejuízo para hematose. 

Nos casos de etiologia cardiogênica, ocorre pelo aumento do fluxo nos capilares, elevando a pressão venosa central e do capilar pulmonar sem alteração de permeabilidade vascular. Nos casos de etiologia não cardiogênica, ocorre pelo aumento da permeabilidade vascular.
O diagnóstico é eminentemente clínico, por meio do exame físico e da história pregressa do paciente. A radiografia de tórax e o eletrocardiograma podem elucidar a avaliação, evidenciando alterações do parênquima pulmonar característico de edema alveolar e da atividade elétrica do coração que aponta para as síndromes coronarianas ou, ainda, para as arritmias, respectivamente. O ecocardiograma auxilia na diferenciação das possíveis causas de EAP cardiogênico e do não cardiogênico.


O resultado da gasometria arterial demonstra hipoxemia e hipocapnia, cursando para grave hipoxemia e hipercapnia quando o quadro clínico evolui.
Reconhecer as manifestações clínicas que o paciente apresenta como dispneia, ortopneia, cianose de extremidades, sudorese, agitação, ansiedade e tosse com expectoração de aspecto róseo favorece as intervenções rápidas para melhor prognóstico.
É importante que você se antecipe à prestação dos cuidados, posicionando o paciente em decúbito elevado, preferencialmente com as pernas pendentes, para diminuir o trabalho respiratório e o retorno venoso.

Assegure a permeabilidade das vias aéreas realizando a aspiração de secreções e instalando cateter ou máscara de oxigênio ou, ainda, auxiliando a equipe multiprofissional a ofertar oxigênio por meio de outra modalidade.
Em pacientes que apresentam o quadro de descompensação cardíaca evidenciados com o EAP, o suporte ventilatório não invasivo com pressão positiva por meio de máscara de CPAP ou Bipap apresenta beneficio na melhora da dispnéia e redução da necessidade de intubação orotraqueal e o uso de ventilador mecânico.
Monitorize o paciente e instale oximetria de pulso para facilitar a visualização dos níveis de saturação e lembre-se que, na vigência de má perfusão periférica, a eficácia pode ficar prejudicada. Puncione o acesso venoso para coleta de exames laboratoriais tais como dosagem de eletrólitos, função renal, marcadores cardíacos, hemograma e administração de medicamentos. Oriente o paciente em casos de internação.


De imediato, diuréticos de alça, nitratos e analgésicos potentes propiciam a melhora do quadro respiratório pela diminuição da congestão pulmonar causando vasodilatação e minimizando a ansiedade do paciente. Reveja a ação desses medicamentos e os respectivos cuidados de enfermagem.

Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 05/04/2015

Gostou? Deixe seu comentário.

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi