Sou Enfermagem

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica -DPOC

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica -DPOC

Estado de doença pulmonar no qual o fluxo de ar está obstruído. É constituída pela bronquite crônica, enfisema, asma. Acelera as alterações fisiológicas da função pulmonar que são causadas pelo envelhecimento. A obstrução do ar pode ser reversível ou irreversível.

Fisiologia:

Obstrução aérea que reduz o fluxo de ar varia conforme a doença adjacente.

→ Bronquite crônica: o acúmulo excessivo de secreções bloqueia as vias respiratórias;

→ Enfisema: a troca gasosa comprometida (oxigênio, carbono) resulta da destruição das paredes do alvéolo superestendido;

→ Asma: as vias aéreas inflamadas e constritas obstruem o fluxo aéreo.

Manifestações clínicas:

- dispnéia (em repouso, pode ser grave);

- tosse (uso de músculos acessórios);

- aumento no trabalho respiratório;

- perda de peso (interferência na alimentação);

- intolerância os esforços/exercícios.

-Ruídos Adventícios(sibilos,roncos,estertores:sons anormais percebidos na ausculta pulmonar)

-Baqueateamento dos dedos – aumento do volume das pontas dos dedos das mãos e perda do ângulo de e-mergência da unha)

A gravidade da doença é determinada por exames de avaliação da função pulmonar.

Fatores de risco:

- exposição à fumaça do fumo (fumante, tabagista passivo);

- poluição do ar ambiente;

- infecções respiratórias;

- exposição ocupacional;

- anormalidades genéticas.

Complicações: podem variar dependendo do distúrbio adjacente: pneumonia; atelectasia; pneumotórax; enfisema; insuficiência e falência respiratória; hipertensão pulmonar (cor pulmonale).

Tratamento:

- oxigenioterapia (contínua ou intermitente);

- broncodilatadores (melhorar o fluxo aéreo, prevenir a dispnéia);

- corticosteróides;

- reabilitação pulmonar (componentes educacionais, psicossociais, comportamentais e físicos);

- exercícios respiratórios (tosse assistida, respiração profunda, drenagem postural, entre outros);

- retreinamento/exercícios.

- ensino do paciente e da família;

- medidas de enfrentamento do estresse

- educação em terapia respiratória

- terapia ocupacional para conservação da energia durante as atividades da vida diária.

Pontos importantes para a assistência:

- orientar para deixar de fumar (intervenção terapêutica mais importante). O tabagismo deprime a atividade macrófaga das células e afeta o mecanismo ciliar de limpeza do trato respiratório, cuja função é manter as passagens respiratórias livres de irritantes inalados, bactérias e outras matérias estranhas. O tabagismo tam-bém causa um crescente acúmulo de muco, que produz mais irritação, infecção e dano para o pulmão.

- orientar para vacinação;

- evitar contato com alta concentração de pólen no ar e poluição ambiental;

- evitar exposição a extremos de temperatura (elevadas com alto grau de umidade ou frio intenso);

- resgate da auto-estima e da sensação de limitação e de impotência (valorização, esperança, bem-estar);

- monitorizar ritmo respiratório (dispnéia e hipoxemia);

- atentar para efeitos colaterais da medicação;

- atentar para sinais de infecção (bacteriana ou virótica), que agravam o quadro e aumentam os riscos de

falência respiratória;

- oximetria de pulso;

- cuidados específicos na intubação e ventilação mecânica;

- em estado grave - alterações cognitivas, dispnéia, taquipnéia e taquicardia.

Postado por: | Publicado em: 16/04/2015

Gostou? Deixe seu comentário.

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi