Sou Enfermagem

Santa Casa de São Paulo estabelece protocolo para parto humanizado

Autor: Sou Enfermagem Em: 14/11/2019

Santa Casa de São Paulo estabelece protocolo para parto humanizado

A Santa Casa de São Paulo vem desenvolvendo algumas ações que acompanham a gestação, o parto e o puerpério para garantir melhorias na qualidade de vida dos bebês e de suas mamães.

Com a rede Cegonha e outros programas da Secretaria Municipal de Saúde, referente à atuação da saúde da mulher, essa parceria com a Santa Casa de São Paulo estar sendo possível.

A enfermeira e diretora de enfermagem das redes de hospitais da Santa Casa, Lilian Silva Ransato, explica que após a parceria, a instituição passou a implantar medidas não farmacológicas na assistência ao parto, com intuito de humanizar a prática da assistência.


Lilian conta que os princípios da Política Nacional de Humanização (PNH) foram essenciais para a construção de um protocolo institucional, o qual o corpo clínico do departamento obstétrico elaborou para dar diretriz a assistência humanizada. “O nosso objetivo é estabelecer e padronizar os procedimentos de enfermagem no parto normal, possibilitando que a parturiente seja protagonista do processo”.


No protocolo, além de organizar os critérios para o acompanhamento da enfermeira obstétrica e suas competências, são especificados os conceitos, a etiologia, os critérios de elegibilidade (inclusão e exclusão), os marcadores (tempo de período expulsivo), descrição de exames, assistência de enfermagem nas etapas de acolhimento, diagnóstico do parto e internação, ações no centro obstétrico, bem como as ações da equipe multiprofissional. Segundo Lilian, o protocolo é realizado em parceria com a equipe médica, que desde o princípio tem apoiado e dado suporte à execução deste trabalho.


“O papel da enfermagem gera diversos benefícios para as gestantes, pois somos nós quem estabelecemos um vínculo com as mães durante todo o processo do parto. Estamos aqui para orientar, aconselhar e acolher essas mulheres em momento tão delicado e especial. As pacientes se sentem gratificadas, dando como devolutiva positiva para a equipe assistencial”, avalia.


De acordo a enfermeira, tais ações elevam a autoestima da profissão, gerando novas expectativas e esperança de ampliação do projeto. Para Lilian, a enfermagem obstétrica passou a ser olhada com outros olhos pelos demais profissionais. “Com o projeto, nós podemos auxiliar as mães quanto ao rompimento da cultura do silêncio, resgatando suas crenças, intuições, valores, sabedoria e cultura, que podem ter sido progressivamente apagados da sociedade, melhorando a saúde materna e qualificando o parto”, finaliza.


Fonte: Coren-SP

Cursos Online: Quer melhorar o seu currículo e se destacar no mercado de trabalho? Então clique aqui e faça um curso online conosco



Deixe o seu comentário

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi