Sou Enfermagem

Procedimentos estéticos mais uma vez causa polêmica e Dr. Bumbum torna-se alvo da justiça

Procedimentos estéticos mais uma vez causa polêmica e Dr. Bumbum torna-se alvo da justiça

Um estudo realizado no Estado Unidos revelam que perigos dos procedimentos estéticos estão no profissional não qualificado e não no procedimento, como muitos pensam. Cada caso deve ser muito bem analisado.

Neste novo artigo, os pesquisadores analisaram dados do banco de dados de experiência do fabricante e do dispositivo do usuário do FDA, que contém relatórios de suspeitas de morte, lesões e disfunções em dispositivos médicos. Eles procuraram por eventos adversos de preenchedores injetáveis relatados entre 1 de janeiro de 2014 e 31 de dezembro de 2016.


Os pesquisadores também analisaram dados da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos sobre o número total projetado de injeções de preenchimento realizadas durante esse tempo, e analisaram os litígios e registros judiciais relacionados aos enchimentos no Westlaw Next Database.


Os pesquisadores identificaram 1.748 eventos relatados envolvendo lesão entre 2014 e 2016. Destes, as complicações mais comuns foram inchaço, infecção, presença de nódulo ou nódulo e dor. 

Muitos casos - 43% - resultaram de uma injeção na bochecha e 30% de uma injeção no lábio, descobriram os pesquisadores.


"O inchaço envolveu cerca de 0,01% de todas as injeções", disse Rayess.

Os pesquisadores também encontraram nove processos judiciais associados com enchimentos, cinco dos quais foram resolvidos em favor do acusado. Dos casos que resultaram em pagamento de multa, os pesquisadores descobriram que o valor médio concedido era de cerca de US $ 242.000 ou cerca de 750 mil reais.


"Até onde sabemos, este estudo é a análise mais ampla das complicações relatadas de injeções de preenchimento", escreveram os pesquisadores.


O documento veio com limitações, no entanto, incluindo que os dados para o número total de injeções foram baseados em pesquisas da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos que são então extrapolados para produzir números totais de injeção e que o banco de dados da FDA pode sofrer subnotificação.

Surgem questões sobre quem está injetando pacientes

"Eventos adversos devem ser relatados às autoridades, então é bom usar o banco de dados deles para analisar quais complicações foram relatadas dessa forma. Dito isto, isso é limitado pelo fato de que tais relatórios são voluntários e podem não ser tão abrangente como gostaríamos ", disse o Dr. Clark Schierle, diretor de cirurgia estética da Northwestern Specialists em Cirurgia Plástica e um cirurgião plástico da Northwestern Medicine em Chicago.


Uma preocupação entre os médicos tem sido o número significativo de médicos não treinados em cirurgia plástica, ou profissionais que nem são médicos licenciados, que estão injetando cargas ou realizando outros procedimentos estéticos.


"Se você é um profissional que não pratica e não é certificado pelo conselho, provavelmente também é menos provável que você relate o evento adverso adequadamente às autoridades", disse Schierle.


"Se você realmente olhar para os dados, provavelmente todos eles foram relatados por pessoas que estavam acima do quadro, porque estão oferecendo as informações para o FDA", disse ele sobre o novo artigo.


No Instagram, por exemplo, apenas 17,8% das postagens relacionadas à cirurgia plástica nos Estados Unidos e no Canadá parecem vir de cirurgiões plásticos certificados, enquanto a maioria é de profissionais não certificados, de acordo com um estudo publicado na revista Aesthetic. Revista de Cirurgia em agosto, da qual Schierle era um autor experiênte.


No novo estudo, os pesquisadores "dividiram essas complicações pelo tipo de preenchedor, mas seria útil ver as complicações categorizadas pelo profissional, que tipo de médico tem maior probabilidade de estar associado a uma complicação grave", disse o Dr. Matthew. Schulman, um cirurgião plástico certificado pela diretoria da cidade de Nova York que não esteve envolvido no estudo.

O que saber antes de ser enganado

Acontece que alguns procedimentos de preenchimento são pensados por profissionais não certificados pelo conselho, disse Maman, da 740 Park Plastic Surgery.


"Significando médicos de família, dentistas, enfermeiros, ginecologistas, dermatologistas, praticamente qualquer especialidade que você possa imaginar. Tudo que você precisa é de um médico para comprar o material de enchimento da empresa e realizar o procedimento", disse Maman.

O Caso do Dr. 

A morte da bancária Lilian Calixto (46) após realização de um procedimento estético em um apartamento na Barra da Tijuca (RJ) tem levantado dúvidas a respeito de procedimentos para preenchimento. Nessas técnicas, são usados materiais em camadas da pele para aumentar volume, minimizar rugas ou harmonizar a pele no caso de outras deformações. O uso de preenchimento não é novidade na dermatologia, nem na cirurgia plástica, mas a pergunta que fica depois do caso é em quais circunstâncias podem ocorrer complicações graves.

No caso da bancária, foi apreendido na casa do médico que realizou o procedimento o PMMA (polimetilmetacrilato). Trata-se de um tipo de acrílico usado para preenchimento. Niveo Steffen, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica em São Paulo, diz que não há estatísticas exatas sobre as complicações do PMMA, mas que procedimentos com a substância não são aconselháveis e há muitos relatos de complicação.


Como descobrir se um médico é confiável?

Vale checar se o médico tem registro no Conselho Regional de Medicina na região em que atua. No caso do médico conhecido como "Dr. Bumbum" ele não tinha registro para atuar na cidade do Rio de Janeiro.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica também disponibiliza uma consulta em seu site para saber se o profissional é ou não credenciado pela sociedade para realizar uma cirurgia plástica.

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) informou que vai investigar as denúncias da morte de Lilian, além de notificar a Polícia Federal sobre o caso.

Segundo Niveo Steffen, a aplicação de produtos estéticos sofre de dois problemas. Um deles é a aplicação por profissionais que não são médicos. "Tem dentista, enfermeiro e biomédico que aplica", diz. Outra questão é sobre a aplicação por médicos que não têm especialização da área.

"Eu sou médico, mas eu não tenho preparo para fazer uma cirurgia cardíaca. O mesmo ocorre na cirurgia plástica. Um curso de final de semana não habilita uma pessoa para realizar esses procedimentos", diz Steffen.

Como saber se posso confiar no lugar em que vou fazer o procedimento ?

Um procedimento, mesmo que seja minimamente invasivo, precisa ser feito em um ambiente preparado, um hospital ou um centro cirúrgico com aparelhamento para qualquer problema que precise de atendimento profissional em uma emergência, informa Francesco Mazzarone, diretor do Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa.

"Não pode fazer em nenhuma estrutura que não seja um consultório equipado, uma clínica, ou um hospital. Não pode em apartamento, nem em cabeleireiro, nem em centro de estética" -- Francesco Mazzarone (Santa Casa).

"É absolutamente inadmissível fazer o procedimento em um apartamento", diz Niveo Steffen, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica em São Paulo.


Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 18/07/2018

Gostou? Deixe seu comentário.

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi