Sou Enfermagem

O tipo de cuidado com a criança afeta o desenvolvimento do cérebro

O tipo de cuidado com a criança afeta o desenvolvimento do cérebro

O desenvolvimento de cérebros pode ser sensível à qualidade do cuidado infantil, de acordo com um estudo que focalizou crianças de 10 anos cujas mães apresentavam sintomas de depressão durante toda a vida. 

A amígdala das crianças, uma parte do cérebro ligada a respostas emocionais, foi ampliada, de acordo com pesquisadores da Universidade de Montreal.

Mudanças similares, mas de maior magnitude, foram encontradas nos cérebros de adotados inicialmente criados em orfanatos, disseram os pesquisadores, e a atenção personalizada às necessidades das crianças pode ser o fator-chave. Com base em outros estudos, as mães que se sentem deprimidas podem ser menos sensíveis às necessidades de seus filhos e serem mais retraídas e desengajadas.

"Ter amígdala ampliada pode ser protetor e aumentar a probabilidade de sobrevivência", disse a pesquisadora Sonia Lupien, em um comunicado à imprensa. A amígdala pode ser protetora por meio de um mecanismo que produz hormônios do estresse conhecidos como glicocorticoides.

Os pesquisadores observaram que os níveis de glicocorticóides de crianças de mães deprimidas que participaram deste estudo aumentaram significativamente quando foram apresentadas situações não familiares, indicando maior reatividade ao estresse nessas crianças. Adultos que cresceram em circunstâncias semelhantes a essas crianças apresentam níveis mais altos de glicocorticóides e uma reação maior de glicocorticóides quando participam de testes de estresse em laboratório.

Embora o estudo não tenha esclarecido as causas da amígdala aumentada, os pesquisadores observaram que os estudos de adoção também mostraram que as crianças que foram adotadas mais cedo na vida e em famílias mais abastadas do que outras não tiveram amígdala aumentada.

"Isso sugere fortemente que o cérebro pode ser altamente responsivo ao meio ambiente durante o desenvolvimento inicial e confirma a importância da intervenção precoce para ajudar as crianças a enfrentar a adversidade", disse Lupien.

“Iniciativas como as consultas domiciliares de enfermeiras durante o pré-natal e a primeira infância e ambientes enriquecidos de creches poderiam atenuar os efeitos do pré-natal no cérebro em desenvolvimento.”

O estudo apareceu nos Proceedings of National Academy of Sciences. 




Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 06/07/2018

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi