Sou Enfermagem

O sexo oral é a principal forma de transmissão do HPV pela boca, afirma INCA

O sexo oral é a principal forma de transmissão do HPV pela boca, afirma INCA

O HPV pode levar anos em estado de latência até se manifestar, além disso, existe também a possibilidade de a lesão nunca aparecer, afirma o Instituto Nacional de Câncer (INCA).

O sexo oral é a principal forma de transmissão do HPV pela boca (contato direto com a mucosa). 

Há estudos que indicam a possibilidade da transmissão por meio do compartilhamento de cigarros, caso a lesão já exista. Não está comprovada a possibilidade de contaminação por meio de objetos. O beijo ainda é algo bastante discutido, uma vez que não é muito frequente a presença de HPV na mucosa oral, porque na saliva existem substâncias protetoras. O vírus se instala principalmente na base da língua ou nas amígdalas. O câncer de orofaringe desenvolvido a partir da infecção pelo HPV tem maior chance de cura se comparado ao causado pelo tabagismo. Isso acontece porque o tabaco provoca mutação da célula, enquanto o HPV destrói a defesa dela. A sobrevida em cinco anos de um paciente com câncer de orofaringe associado ao HPV chega a 80%. As vacinas contra o HPV não previnem contra todos os subtipos de HPV. O método mais eficaz de prevenção da infecção pelo vírus continua sendo o uso da camisinha.

Tratamento HPV na boca 

O tratamento do HPV na boca normalmente é feito com cirurgia, para analisar as lesões do paciente. Mas apenas retirar as feridas não garante que a doença não possa surgir novamente.

Dessa forma, quem sofre com o vírus precisa fazer um tratamento com medicamentos antivirais por um período de dois anos. Nesse tempo todo, além do tratamento, é necessário que o paciente consulte frequentemente o médico, a fim de que ele analise a situação.

E tome cuidado com a automedicação. Muitas pessoas, quando possuem algum sintoma de doença, já vão logo se automedicando. Essa atitude é errada e pode acabar piorando a situação.

Isso porque pode acontecer de a DST estar “mascarada”, ou seja, você vai achar que está curado, mas na verdade o vírus vai continuar ativo. Por isso, o tratamento dura dois anos.

O melhor jeito de prevenir o HPV na boca é ter cuidado com as pessoas que se beija. Utilizar preservativo durante as relações sexuais, mesmo que seja sexo oral, também é essencial.

Reduzir o número de pessoas que se beija também é um modo de diminuir a doença. É uma questão de lógica: quanto mais pessoas você beijar, mais chances de acabar esbarrando em alguém que contenha essa doença contagiosa.

Procure ser seletivo em sua vida sexual e, em caso de qualquer sintoma, busque ajuda médica. Como a boca é uma parte sensível do corpo, por onde comemos todos os dias, não é difícil ver se tem algo incomodado.

Quando surgem os sintomas do HPV, algumas pessoas acham que são apenas aftas ou alergia a algum tipo de alimento. Mas não se engane. Apenas um médico pode dar o diagnóstico.

Quando o HPV é tratado no início, fica mais fácil de eliminar a doença. Quanto mais tempo você demorar a procurar um especialista, maior a chance da doença se espalhar por toda a boca e provocar problemas maiores.




Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 13/09/2018

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi