Sou Enfermagem

O que são probióticos e como eles ajudam na saúde?


Autor: Raimundo Renato da Silva Neto | Publicado em: 28/09/2018

O que são probióticos e como eles ajudam na saúde?

Segundo a Anvisa, probióticos são os microrganismos vivos capazes de melhorar o equilíbrio microbiano intestinal produzindo efeitos benéficos à saúde do indivíduo. 

Além dos probióticos existem também os prebióticos mas com conceito e característicos diferentes. Enquanto os probióticos são microrganismos vivos, os prebióticos são fibras alimentares que são consumidas no intestino pelos probióticos favorecendo assim o seu crescimento e desenvolvimento no intestino, ou seja, os prebióticos nada mais é que os alimentos dos probióticos. A definição de probiótico consta na RDC 2/02, mas não há uma definição na legislação para prebióticos.

Diretrizes para o uso dos probióticos

Primeiro, os probióticos devem estar vivos quando são administrados. Uma das preocupações em toda a literatura científica reside na viabilidade e reprodutibilidade em larga escala dos resultados observados para estudos específicos, bem como a viabilidade e estabilidade durante o uso e armazenamento, e finalmente a capacidade de sobreviver em ácidos estomacais e, em seguida, no ecossistema intestinal.

Em segundo lugar, os probióticos devem ter sido submetidos a uma avaliação controlada para documentar os benefícios para a saúde no hospedeiro alvo. Somente os produtos que contêm organismos vivos, mostrados em estudos humanos reprodutíveis para conferir um benefício à saúde, podem, na verdade, ser probióticos. A correta definição de benefício para a saúde, respaldada por sólidas evidências científicas, é um forte elemento para a identificação e avaliação adequadas do efeito de um probiótico. Este aspecto representa um grande desafio para investigações científicas e industriais, porque várias dificuldades surgem, tais como a variabilidade no local para uso de probióticos (oral, vaginal, intestinal) e modo de aplicação.

Em terceiro lugar, o candidato probiótico deve ser um micróbio definido taxonomicamente ou combinação de micróbios (gênero, espécie e nível de tensão). É comumente admitido que a maioria dos efeitos dos probióticos são específicos da linhagem e não podem ser estendidos a outros probióticos do mesmo gênero ou espécie. Isso exige uma identificação precisa da cepa, ou seja, a caracterização genotípica e fenotípica do microrganismo testado.

Em quarto lugar, os probióticos devem ser seguros para o uso pretendido. As diretrizes da FAO/OMS de 2002 recomendam que, embora as bactérias possam ser geralmente reconhecidas como seguras (GRAS).

A segurança do potencial probiótico deve ser avaliada pelos testes mínimos exigidos:

Determinação de padrões de resistência a antibióticos
Avaliação de certas atividades metabólicas (por exemplo, produção de D-lactato, desconjugação do sal biliar)
Avaliação de efeitos colaterais durante estudos em humanos
Vigilância epidemiológica de incidentes adversos nos consumidores (após o mercado)
Se a estirpe em avaliação pertence a uma espécie que é um conhecido produtor de toxinas de mamíferos, deve ser testada para a produção de toxinas. Um dos esquemas possíveis para testar a produção de toxinas foi recomendado pelo Comité Científico da UE sobre Nutrição Animal.
Se a linhagem em avaliação pertence a uma espécie com potencial hemolítico conhecido, é necessária a determinação da atividade hemolítica.
Na Europa, a EFSA adotou um sistema de pré-comercialização para avaliação de segurança de espécies microbianas usadas em produções de alimentos e rações para estabelecer prioridades para a necessidade de avaliação de risco. A avaliação é feita para um grupo selecionado de microrganismos, o que, se favorável, leva a um status de “Presunção Qualificada de Segurança”.

A maioria dos benefícios relatados demonstrados com os probióticos tradicionais foi observada após a ingestão de uma concentração em torno de 107 a 108 células probióticas por grama, com um tamanho de dose de cerca de 100 a 200 mg por dia.

Os probióticos aprovados até o momento na Anvisa para alimentos são:

Lactobacillus acidophilus
Lactobacillus casei shirota
Lactobacillus casei variedade rhamnosus
Lactobacillus casei variedade defensis
Lactobacillus paracasei
Lactococcus lactis
Bifidobacterium bifidum
Bifidobacterium animallis (incluindo a subespécie B. lactis)
Bifidobacterium longum
Enterococcus faecium

Benefícios dos Probióticos em relação à saúde digestiva

A evidência mais forte tem a ver com a diarreia associada a antibióticos. Quando as pessoas tomam antibióticos, especialmente por longos períodos de tempo, muitas vezes sofrem de diarreia por um longo tempo após a erradicação da infecção.

Isso ocorre porque os antibióticos matam muitas das bactérias naturais no intestino, o que altera o equilíbrio e permite que as bactérias "ruins" se desenvolvam.

Dezenas de estudos forneceram fortes evidências de que suplementos probióticos podem ajudar a curar a diarreia associada a antibióticos.

Os probióticos também demonstraram ser benéficos contra a síndrome do intestino irritável, um distúrbio digestivo muito comum. Eles podem ajudar a reduzir gases, inchaço, constipação, diarreia e outros sintomas.

Alguns estudos também mostram que os probióticos podem ser benéficos contra doenças inflamatórias intestinais, como a doença de Crohn e a colite ulcerativa.

Probióticos também podem ser úteis contra infecções por Helicobacter pylori, o principal motor de úlceras e câncer de estômago.

Se você atualmente tem problemas digestivos que você não consegue se livrar, então talvez um suplemento probiótico é algo que você deve considerar.

Outros benefícios dos probióticos

No entanto, existem alguns que definitivamente merecem destaque aqui:

Inflamação: Os probióticos demonstraram reduzir a inflamação sistêmica, um dos principais causadores de muitas doenças.
Depressão e ansiedade: As cepas probióticas Lactobacillus helveticus e Bifidobacterium longum mostraram reduzir os sintomas de ansiedade e depressão em pessoas com depressão clínica.
Colesterol no sangue: Vários probióticos mostraram reduzir os níveis de colesterol total e LDL.
Pressão arterial: Os probióticos também demonstraram causar reduções modestas na pressão arterial.
Função imunológica: Várias cepas probióticas podem melhorar a função imunológica e levar à redução do risco de infecções, incluindo o resfriado comum.
Saúde da pele: Há algumas evidências de que os probióticos podem ser úteis para acne, rosácea e eczema, bem como para outras doenças de pele.

Quais produtos tem probióticos?

Os probióticos mais comuns são encontrados no Iogurtes e em bebidas lácteas fermentadas. Além disso, você pode consultar o seu médico para lhe indicar cepas de probióticos que não são encontradas em iogurtes ( caso haja necessidade), a partir de uma consulta, você poderá adquirir o probiótico em farmácias de manipulação ou empresas especializadas. É importante ressaltar que você deve checar a credibilidade da empresa antes de adquirir o seu probiótico.

REFERÊNCIAS

ANTUNES, A. E. C. et al. Probióticos: agentes promotores de saúde. Nutrire – Revista da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 103-122, dez. 2007.
COPPOLA, M. de M.; TURNES, C. G. Probióticos e resposta imune. Ciência Rural, Santa Maria, v. 34, n. 4, p. 1297-1303, jul./ago. 2004.
MATOS, P. M. S de. Probióticos. 2010. 19 p. Dissertação (Mestrado Integrado em Medicina)-Universidade do Porto, Porto, 2010.
MOROTI, C. et al. Potencial da Utilização de Alimentos Probióticos, Prebióticos e Simbióticos na Redução de Colesterol Sanguíneo e Glicemia. Unopar Científica Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 11, n. 4, p. 63-67. 2009.
PIMENTEL, T. C. Probióticos a Benefícios à Saúde. Revista Saúde e Pesquisa, Maringá, v. 4, n. 1, p. 101-107, jan./ abr. 2011.
RAIZEL, R. et al. Efeitos do consumo de probióticos, prebióticos e simbióticos para o organismo humano. Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 4, n. 2, p. 66-74, jul./dez. 2011.
SANTOS, L. C. dos; CANÇADO, I. A. C. Probióticos e prebióticos: vale a pena incluí-los em nossa alimentação. Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, n.n1, p. 1-9, 2009.
VARALLO, M. A.; THOMÉ, J. N.; TESHIMA, E. Aplicação de bactérias probióticas para profilaxia e tratamento de doenças gastrointestinais. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 29, n. 1, p. 83-104, jan./jun. 2008.

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi