Sou Enfermagem

Bolsonaro sofreu realmente um atentado a faca ou foi forjado?

Bolsonaro sofreu realmente um atentado a faca ou foi forjado?

Já circula em todas os canais de mídia que o candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, sofreu ontem, 06 de agosto, um atentado de um manifestante que o feriu com uma arma branca.

Ao mesmo tempo que circula milhares de informações sobre o acontecimento ocorrido com o candidato, também circula informações duvidosas que chega até mesmo confundir as pessoas sobre a veracidade dos fatos.

Essa confusão toda estar acontecendo porque dizem que não há sangue na camisa dele. Falo por experiência, nem sempre uma lesão de arma de fogo ou arma branca tem sangramento externo expressivo. Isso depende muito do local atingido, de como foi atingido e uma série de outros fatores.

Mas, isso é coisa bem séria, esse é um período bem perigoso, pois estamos em uma corrida política e o candidato Jair Bolsonaro é uma pessoa pública muito polêmica e a gente tem que tomar cuidado pois algumas dessas informações duvidosas podem partir de quem não gosta de sua política.

Por fim, o melhor mesmo é esperar o desenrolar dos fatos e tomar cuidado para não compartilhar notícias falsas (fake news), afinal de contas, todos nós estamos na mesma condição de vulnerabilidade. Somos feitos de carne e sangue e qualquer coisa pode acontecer com qualquer um.

Mas, no Brasil e Mundo, há muita manipulação de informações e esse fato tanto pode ser verdade, como pode ser mentira. O melhor mesmo é esperar o tempo passar e manter a calma.

Sobe o acontecido
Segundo a nota de notícias, o presidenciável sofreu 3 lesões graves no intestino delgado  e 1 extensa lesão também grave no intestino grosso, o que permitiu contaminação da cavidade por fezes e ainda houve comprometimento da veia mesentérica - o que levou a um CHOQUE HIPOVOLÊMICO, devido um quadro de hemorragia interna.

A pressão arterial na admissão foi 100x30mmhg. Analisando isoladamente a pressão ARTERIAL (que não é o correto) teríamos um choque do tipo III ou IV, uma estimativa de perda >1500-2000ml de sangue. Por isso precisou receber 3 bolsas de concentrado de hemácias. O noticiário não citou, mas com certeza precisou receber também volume de cristalóides.

O presidenciável foi submetido a SEDAÇÃO/ANESTESIA GERAL e INTUBAÇÃO para realizar  uma LAPAROTOMIA EXPLORADORA. É uma cirurgia aberta com o intuito justamente de "explorar" a região abdominal em busca de lesões, sangramentos e a correção destas.

Ao final da cirurgia, foram corrigidas as lesões no intestino delgado e  confeccionaram uma COLOSTOMIA TEMPORÁRIA, que talvez  permaneça cerca de 2 ou 3 meses. E por se tratar de um quadro grave o paciente foi transferido pra uma Unidade de Cuidados Intensivos e segue com cobertura de antibióticos e logo depois transferido para São Paulo.

Entenda a Hemorragia Interna 

O sangue extravasa para o interior do próprio corpo, dentro dos tecidos ou cavidades naturais.

Sinais e sintomas
A hemorragia externa, por ser visualizada, é facilmente reconhecida enquanto a hemorragia interna pode desencadear choque hipovolêmico, sem que o socorrista
identifique o local da perda de sangue. As evidências mais comuns de sangramento interno são áreas extensas de contusão na superfície corpórea. Alguém com fratura
de fêmur, por exemplo, pode perder facilmente até um litro de sangue, que fica confinado nos tecidos moles da coxa, ao redor da fratura.

Outros sinais que sugerem hemorragia severa:
Pulso fraco e rápido;
Pele fria e úmida (pegajosa);
Pupilas dilatadas com reação lenta à luz;
Queda da pressão arterial;
Paciente ansioso, inquieto e com sede;
Náusea e vômito;

Entenda o Choque Hipovolêmico

O Choque Hipovolêmico é o tipo mais comum de choque que acomete pessoas vítima de trauma grave, como por exemplo, acidades automobilístico, arma de fogo ou arma branca.

Sua característica básica é a diminuição acentuada do volume de sangue. Pode ser causado pelos seguintes fatores:
Perda direta de sangue: hemorragia interna e externa;
Perda de plasma: em caso de queimaduras, contusões e lesões traumáticas;
Perda de líquido pelo trato gastrointestinal: provoca desidratação (vômito ou diarréia).
 
A redução no volume de sangue circulante causa diminuição no débito cardíaco e reduz toda a circulação (perfusão tecidual comprometida). O reconhecimento precoce e o cuidado efetivo no atendimento do choque hipovolêmico podem salvar a vida do paciente.

O tratamento definitivo do choque hipovolêmico é a reposição de líquidos (soluções salinas ou sangue).

Sinais e sintomas
Sinais e sintomas do choque hipovolêmico podem variar e não aparecer em
todas as vítimas. O mais importante é suspeitar e estabelecer os cuidados antes
que se desenvolvam.

A vítima apresentaria os seguintes sinais e sintomas:
Ansiedade e inquietação;
Náusea e vômito;
Sede, secura na boca, língua e lábios;
Fraqueza, tontura e frio;
Queda acentuada de pressão arterial (PA menor que 90mm/Hg);
Respiração rápida e profunda - no agravamento do quadro, a respiração torna-se superficial e irregular;
Pulso rápido e fraco em casos graves; quando há grande perda de sangue, pulso difícil de sentir ou até ausente;
Enchimento capilar acima de 2 segundos;
Inconsciência parcial ou total;

Profissionais de saúde atendem o candidato sem luva

Bom, esse assunto das luvas estar sendo bastante discutido. Se realmente o fato aconteceu na Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, então ele foi atendido pela rede do SUS, pela foto publicada pela própria família na sala de procedimentos cirúrgicos, mostra apenas uma cena e não todo o procedimento. Acredito que nenhum médico ou profissional de enfermagem, vá colocar a mão em um ferimento sem luvas.

Mas, você é livre para emitir a sua opinião a respeito. Deixe nos comentários.




Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 07/09/2018

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi