Sou Enfermagem

As bactérias do intestino podem nos ajudar a obter um tipo sanguíneo universal?

As bactérias do intestino podem nos ajudar a obter um tipo sanguíneo universal?

À luz dos esforços de socorro global necessários após desastres naturais, que muitas vezes pediram transfusões de sangue, os pesquisadores estão procurando maneiras eficazes de transformar outros tipos de sangue no "doador universal", o tipo de sangue O.

De acordo com o sistema de grupo sanguíneo ABO, existem quatro tipos sanguíneos principais em humanos. Estes são A, B, AB e O.

Destes, apenas O é um "doador universal", o que significa que uma pessoa com esse tipo sanguíneo pode doar sangue com segurança para todos os outros grupos.

Caso contrário, as pessoas com o tipo A só podem doar para pessoas com tipos A e AB, tipo B para tipos B e AB e digitar AB apenas para outros ABs.

A compatibilidade do tipo sanguíneo é, portanto, muito importante em casos de desastres em massa, quando os afetados precisam de um suprimento constante de sangue de doadores compatíveis.

Se houvesse uma oferta adequadamente grande do "doador universal", no entanto, isso tornaria mais fácil atender a qualquer pessoa que precisasse urgentemente de uma transfusão.

Durante anos, os pesquisadores têm procurado formas eficazes de converter outros tipos sanguíneos em tipo O desenvolvendo enzimas que removeriam os antígenos que tornam os tipos sanguíneos A, B e AB tão "discriminatórios".

Agora, pesquisadores da University of British Columbia - com filiais em Vancouver e Kelowna, Canadá - apresentaram os resultados de um novo estudo no 256º Encontro Nacional e Exposição da American Chemical Society, realizado em Boston, MA.

Eles explicaram que eles podem ter encontrado uma maneira eficaz e segura de converter os tipos sanguíneos A e B em tipo O: usando certas enzimas encontradas no intestino.

"Estamos particularmente interessados", diz Stephen Withers, coautor do estudo, "em enzimas que nos permitem remover os antígenos A ou B dos glóbulos vermelhos", acrescentando:

 

"Se você pode remover esses antígenos, que são apenas açúcares simples, então você pode converter A ou B em O sangue."


Enzimas intestinais que podem "transformar" o sangue
Withers e a equipe usaram um método chamado "metagenômica" para identificar enzimas promissoras que podem agir sobre o sangue de modo a torná-lo universalmente seguro e utilizável.

"Com metagenômica", ele aponta, "você pega todos os organismos de um ambiente e extrai a soma total do DNA desses organismos, todos misturados juntos".

Em seguida, os pesquisadores usaram a bactéria Escherichia coli para determinar quais tipos de DNA eram capazes de codificar enzimas capazes de remover açúcares simples, como os antígenos específicos do tipo sanguíneo (substâncias desencadeantes do sistema imunológico) que determinam a incompatibilidade do grupo sanguíneo.

"Esta é uma maneira de obter essa informação genética fora do ambiente e no ambiente de laboratório e, em seguida, triagem para a atividade em que estamos interessados", observa Withers.

A análise dos cientistas revelou que certas enzimas encontradas na microbiota intestinal humana são capazes de transformar os tipos sanguíneos A e B em tipo O, removendo seus antígenos específicos. Essas enzimas, acrescentam, atuam com 30 vezes mais eficiência do que outras anteriormente consideradas para o mesmo fim.

Withers e colegas explicam que a parede intestinal em humanos hospeda um tipo especial de proteína chamada "mucinas", que contém açúcares simples que permitem que as bactérias do intestino se liguem.

Alguns desses açúcares, eles explicam, são similares aos antígenos encontrados nos tipos sanguíneos A e B. Para encontrar as enzimas que os ajudariam a remover os antígenos sanguíneos, os pesquisadores analisaram quais enzimas as bactérias intestinais usavam para absorver os açúcares da mucina.

'Um candidato muito interessante'
Atualmente, Withers e seus colegas estão procurando testar as enzimas isoladas em uma escala maior, com o objetivo de, eventualmente, estabelecer testes clínicos.

"Estou otimista de que temos um candidato muito interessante para ajustar o sangue doado a um tipo comum", explica Withers.

"É claro", ele prossegue, "ele terá que passar por muitos testes clínicos para ter certeza de que não tem nenhuma conseqüência adversa, mas está parecendo muito promissor".





Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 21/08/2018

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi