Sou Enfermagem

A Lenda da Cobra Preta que Mama, tem fundamento?

A Lenda da Cobra Preta que Mama, tem fundamento?

Todos nós sabemos que os mitos e lendas são testemunhos culturais ricos e que acabamos sem saber ao certo se é verdade ou apenas um mito.

Segue a Lenda da Cobra Preta que Mama:

Relato: “Diz a lenta, que uma serpente de aproximadamente 8 metros, entra na casa de uma mulher enquanto amamenta a criança logo nos primeiros dias de vida. Essa cobra só entra de noite, enquanto a mãe dorme com a criança no colo amamentando. A cobra coloca a cauda na boca da criança, para que a mesma não chore, simulando a amamentação, e vai à procura do seio da mãe a fim de tomar o leite. A mãe adormecida, pensa que é a criança que estar mamando e não se dá ao trabalho de verificar. Passado algumas semanas a mãe começa a perceber que o filho está desnutrido. Ela não sabe por que seu filho chora de fome pela manhã se ele foi amamentado durante a noite. Essa rotina segue por dias, até que em uma noite o seu marido chega de viagem, se depara com a cena da mata  amamentando e mata a cobra à pauladas. Ao esmagar a cobra, o leite que a mesma ingeriu se espalha pelo piso, mostrando que a cobra estava mamando há muito tempo.”

Fatos Verdadeiros:

Em primeiro lugar devemos lembrar que as cobras são répteis, ou seja, as mesmas não se alimentam do leite. Podem ser ovíparas ou vivíparas, desprovidas de glândulas mamárias, sendo assim, não amamentam seus filhotes. Seu sistema digestório não está adaptado a essa alimentação. A dentição, a língua e a estrutura da boca das cobras não permite o ato da sucção. Por essas razões seus instintos não fazem ir a procura do leite.

As cobras possuem uma camada de tecido adiposo (gordura) entre os músculos e a pele, camada essa que serve de reserva de energia. Essa camada é esbranquiçada, muito semelhante ao leite coalhado.

A lenda surgiu a muitos anos quando um homem ao chegar na sua casa vê uma cobra ao lado da cama de sua esposa que a pouco tempo havia dado a luz e ainda amamentava a criança. Matando a cobra com uma madeira, o pai viu se espalhando pelo assoalho a camada de gordura presente no corpo da serpente. Ao ver aquilo acredita que seja o leite bebido pela cobra, que coalhou no corpo dela. Associando esse fato a desnutrição da criança, chegou-se a conclusão de que a cobra estava bebendo o leite materno todas as noites.

A serpente Pseudoboa nigra (Família Dipsadidae) mais conhecida como muçurana ou cobra preta foi descrita pelo pesquisador Vital Brasil. É uma espécie ofiófaga, ou seja, se alimenta de outras serpentes. Portanto, é capaz de resistir ao veneno de serpentes como jararacas (Bothrops) e cascavéis (Crotalus), contudo não possui resistência para o veneno das corais (Micrurus) isto provavelmente pela forte ação neurotóxica.

Ao nascer a Pseudoboa nigra apresenta coloração avermelhada com a cabeça preta, mas ao decorrer do amadurecimento do animal vai mudando a coloração, o que serve como uma das bases de uma lenda bastante conhecida.

Quem já não ouviu falar que algumas mulheres em fase de amamentação dizem que enquanto dormiam, a serpente se aproximava e introduzia sua cauda na boca do bebê, para que este não chorasse, se aproveitando para mamar no seio da mulher, conforme a serpente ingeria o leite sua coloração ficaria esbranquiçada.

Alguns visitantes do NUROF-UFC afirmam (com testemunhos) que as crenças na lenda tem forte apelo e que algumas mulheres gestantes, ao verem uma muçurana, só conseguem ter sossego após o animal ser morto, com medo de que ele venha a “beber” seu leite materno. Não podemos esquecer de algumas características biológicas marcantes dessas serpentes como por exemplo: as serpentes não apresentam a enzima lactase para digerir o leite, além do mais nenhuma serpente é dotada das adaptações no crânio necessárias para realizar a sucção como fazem os bebês humanos (e de outros mamíferos).

Como e por que o leite provocaria a mudança na cor da pele da cobra? Conhece alguém que ganhou alguma manchinha branca por gostar de leite? O fato de algumas muçuranas possuírem coloração branca é devido ao albinismo que ocorre em alguns animais, não estando ligado à quantidade de leite ingerido.

Os mitos e lendas são testemunhos culturais ricos e não se sabe ao certo onde e por que surgiram da forma como ouvimos atualmente. Não se esqueça de pesquisar e conhecer a biologia do animal e a cultura de cada região, somente assim poderá compreender algumas raízes que cercam esses pensamentos!




Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 01/09/2018

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi