Sou Enfermagem

A enfermeira obstétrica contribui para redução de intervenções desnecessárias no parto

Autor: Sou Enfermagem Em: 01/07/2019

A enfermeira obstétrica contribui para redução de intervenções desnecessárias no parto

O paradigma que influencia a atenção ao parto e nascimento até os dias atuais construiu-se, historicamente, a partir do século XVIII, com a inserção da Medicina.

É o que afirma uma pesquisa publicada na Revista de Enfermagem no começo deste ano e detalha como a enfermagem se tornou tão importante no parto.

Desde esse período, constituiu-se o processo de transição do modelo holístico, em que a mulher detinha o poder e a autonomia sobre seu corpo, para o modelo tecnocrático institucionalizado. Esse modelo de atenção obstétrica tem vigorado no país, favorecendo “o uso indiscriminado de tecnologias e intervenções, [...] a prática da cesárea de rotina, a violação de direitos da mulher e a manutenção de elevados números de mortalidade materna”, afirma o estudo.

Desse modo, a atenção obstétrica voltada para o predomínio do uso de intervenções desnecessárias e prejudiciais ao “considerar o parto um evento médico e de risco cujo cenário é o ambiente hospitalar [...] e o nascimento um evento patológico que precisa ser tratado”, acaba por desconsiderar a autonomia e o poder decisório da mulher,
contribuindo para a vigilância e dominação do corpo feminino.

Neste contexto, “a atuação da enfermeira obstétrica tinha por mérito primordial a vigilância intensiva e o controle do trabalho de parto”3:02, dialogando em alguma medida com a prática hegemônica de intervenção do médico obstetra, caracterizada pela ênfase institucional e o modelo tecnocrático de assistência, com a justificativa de tornar o evento do parto mais seguro para a mulher e o recém nascido.
.
No entanto, atrelado ao processo de democratização e participação social e ao movimento de humanização do parto, na década de 80, ocorrem movimentos de crítica a esse modo tradicional de atenção à saúde da mulher e ao recém-nascido, abrindo espaço para a enfermeira obstétrica atuar na assistência direta ao parto.
.
Assim, em 1985, em consonância às críticas da atenção obstétrica vigente, ocorreu em Fortaleza (Brasil) a I Conferência sobre Tecnologia Apropriada para o Nascimento e o Parto, promovida pela Organização Panamericana de Saúde (OPAS)/Organização Mundial de Saúde (OMS), considerada “um importante marco na revisão das tecnologias utilizadas no nascimento e parto, levando à adoção de recomendações que contraindicam o uso inapropriado e indiscriminado de tecnologias invasivas no parto”.

Em 1996, a OMS desenvolveu e publicou uma classificação das práticas utilizadas na condução do parto vaginal e do nascimento, com base em evidências  científicas.

Foram sinalizadas práticas demonstradas úteis, como direito à acompanhante, liberdade de posição e uso de métodos não farmacológicos para o alívio da dor; e outras a serem eliminadas, como enema, tricotomia e episiotomia. Além disso, houve o incentivo à realização de capacitações e a inserção das enfermeiras obstétricas na atenção ao parto e nascimento.

Com o incentivo para a aplicabilidade dessas recomendações, em paralelo, promoveu-se a inserção das enfermeiras obstétricas, pois a incisiva participação dessas profissionais na assistência ao trabalho de parto, parto e nascimento, reforça a sua contribuição no que se refere à prática assistencial, conforme diretrizes da OMS/MS, além de qualificar o cuidado prestado e reduzir o uso de práticas intervencionistas.

Esse destaque para a inserção da enfermeira obstétrica diretamente na cena do processo do parto e nascimento tem um importante engajamento para a implantação do modelo humanizado e de uma assistência segura com embasamento científico. Deste modo, ao corroborar as prerrogativas da OMS/MS, com ênfase na redução de intervenções desnecessárias, contribui com mecanismos para a implantação desse modelo, cujo foco é o “respeito”, “comunicação efetiva”, “continuidade do cuidado” e com processos responsáveis pela redução das taxas de morbimortalidade materna.

Extraído do texto original

A inserção da enfermeira obstétrica no parto e nascimento:
obstáculos em um hospital de ensino no Rio de Janeiro

Referências

1. Medeiros RMK, Teixeira RC, Nicolini AB, Alvares AS, Corrêa ACA,
Martins DP. Cuidados humanizados: a inserção de enfermeiras
obstétricas em um hospital de ensino. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016
Nov-Dec; [cited 2018 Jun 13]; 29(6):1091-8. Available from: http://www.
scielo.br/pdf/reben/v69n6/0034-7167-reben-69-06-1091.pdf. DOI: http://
dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0295
2. Souza AMM, Souza KV, Rezende EM, Martins EF, Campos D, Lansky
S. Práticas na assistência ao parto em maternidades com inserção de
enfermeiras obstétricas, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Esc Anna Nery
[Internet]. 2016 Apr-Jun; [cited 2018 Jun 13]; 20(2):324-31. Available from:
http://www.scielo.br/pdf/ean/v20n2/1414-8145-ean-20-02-0324.pdf. DOI:
http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160044
3. Vargens OMC, Silva ACV, Progianti JM. Contribuição de enfermeiras
obstétricas para consolidação do parto humanizado em maternidades no
Rio de Janeiro-Brasil. Esc Anna Nery [Internet]. 2017; [cited 2018 Jun 13];
21(1):e20170015. Available from: http://www.scielo.br/pdf/ean/v21n1/1414-
8145-ean-21-01-e20170015.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/1414-
8145.20170015
4. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos
Estratégicos. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão
resumida. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.
5. Côrtes CT, Santos RCS, Caroci AS, Oliveira SG, Oliveira SMJV, Riesco
MLG. Metodologia de implementação de práticas baseadas em evidências
científicas na assistência ao parto normal: estudo piloto. Rev Esc Enferm
USP [Internet]. 2015; [cited 2018 Jun 13]; 49(5):716-25. Available from:
http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v49n5/pt_0080-6234-reeusp-49-05-0716.
pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000500002
6. World Health Organization. WHO recommendations: intrapartum care for
a positive childbirth experience. Geneva: World Health Organization; 2018.
7. World Health Organization. Recomendaciones de la OMS para los
cuidados durante el parto, para una experiencia de parto positiva.
Geneva: World Health Organization; 2018.
 

Cursos Online: Quer melhorar o seu currículo e se destacar no mercado de trabalho? Então clique aqui e faça um curso online conosco



Deixe o seu comentário

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi