Sou Enfermagem

Infarto  Agudo do  Miocárdio

Infarto Agudo do Miocárdio

infartoO infarto agudo do miocárdio (IAM) é uma situação grave causado pelo estreitamento de uma artéria coronária pela aterosclerose, ou pela obstrução total de uma coronária por êmbolo ou trombo, ocasio-nando a necrose de áreas do miocárdio.

É A redução do fluxo sangüíneo também pode ser resultante de cho-que ou hemorragias Pode ser confundida com sintomas mais corriqueiros, tais como: flatulência, dor muscu-lar, tensões, dentre outros. Vale lembrar que na angina o suprimento de sangue é reduzido temporariamente, provocando a dor, enquanto no IAM ocorre uma interrupção abrupta do fluxo de sangue para o miocárdio. A incidência de infarto ainda é maior nos homens acima de 40 anos. Porém, mulheres no climatério que uti-lizam anticoncepcional e fumam apresentam uma mortalidade maior ao ter infarto. Observa- se que, hoje, há um aumento de pessoas infartadas com faixa etária menor, em decorrência do estilo da vida moderna.

→ Fatores de risco para aterosclerose (fatores de risco cardiovascular)

O risco de ocorrer aterosclerose aumenta com a hipertensão arterial, níveis sangüíneos elevados de “colesterol ruim” (LDL-colesterol), níveis baixos de “colesterol bom” (HDL-colesterol), tabagismo, diabetes mellitus, obesidade (principalmente da cintura para cima ou abdominal), sedentarismo, estresse psicossocial, envelhecimento e a hereditariedade.

Sintomas: Em geral, a aterosclerose não causa sintomas até haver produzido um estreitamento importante da artéria ou até provocar uma obstrução súbita. Os sintomas dependem do local de desenvolvimento da ateros-clerose. Por essa razão, eles podem refletir problemas no coração, no cérebro, nos membros inferiores ou em praticamente qualquer região do corpo.

Prevenção e Tratamento da aterosclerose:

Para evitar a aterosclerose, devem ser eliminados os fatores de risco controláveis: níveis sangüíneos elevados de colesterol, hipertensão arterial, tabagismo, obesidade e falta de exercício.

Medidas gerais:

Reduzir a ingestão de gorduras e colesterol

Parar de fumar

Controle dietético

Tratamento de doenças como diabetes e hipertensão.

O melhor tratamento para a aterosclerose é a prevenção. Quando a aterosclerose torna-se suficiente-mente grave a ponto de causar complicações, o médico deve tratar as complicações – angina, infarto do mi-ocárdio, arritmias cardíacas, insuficiência cardíaca, insuficiência renal, acidente vascular cerebral ou obstru-ção de artérias periféricas.

Manifestações clínicas do IAM:

A dor torácica é o principal sintoma associado ao IAM. É descrita como uma dor súbita, subesternal, constante e constritiva, que pode ou não se irradiar para várias partes do corpo, como a mandíbula, costas, pescoço e membros superiores (especialmente a face interna do membro superior esquerdo). Muitas vezes, a dor é acompanhada de taquipnéia, taquisfigmia, palidez, sudorese fria e pegajosa, tonteira, confusão mental, náusea e vômito. A qualidade, localização e intensidade da dor associada ao IAM pode ser semelhante à dor provocada pela angina. As principais diferenças são: a dor do IAM é mais intensa; não é necessariamente produzida por esforço físico e não é aliviada por nitroglicerina e repouso.

A dor decorrente do IAM quase sempre vem acompanhada da sensação de “morte iminente.

Diagnóstico:

O Geralmente se baseia na história da doença atual, no eletrocardiograma e nos níveis séricos (sangüíneos) das enzimas cardíacas. O prognóstico depende da extensão da lesão miocárdica. O tratamen-to pode ser clínico ou cirúrgico, dependendo da extensão e da área acometida.

Os profissionais de saúde precisam estar atentos para um diagnóstico precoce, tendo em vista que esta é uma das maiores causas de mortalidade. O atendimento imediato, ao cliente infartado, garante a sua sobrevi-vência e/ou uma recuperação com um mínimo de seqüelas. O idoso nem sempre apresenta a dor constritiva típica associada ao IAM, em virtude da menor resposta dos neurotransmissores, que ocorre no período de envelhecimento, podendo assim passar despercebido.

Assistência de enfermagem deve englobar os seguintes aspectos:

Proporcionar um ambiente adequado para o repouso físico e mental;

Fornecer oxigênio e administrar opiáceos (analgésico e sedativo) e ansiolíticos prescritos para alívio da dor e diminuição da ansiedade;

Prevenir complicações, observando sinais vitais, estado de consciência, alimentação adequada, elimi-nações urinária e intestinal e administração de trombolíticos prescritos;

Auxiliar nos exames complementares, como eletrocardiograma, dosagem das enzimas no sangue, eco-cardiograma, dentre outros;

Atuar na reabilitação, fornecendo informações para que o cliente possa dar continuidade ao uso dos medicamentos, controlar os fatores de risco, facilitando, assim, o ajuste interpessoal, minimizando seus medos e ansiedades;

Repassar tais informações também à família.

Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 14/03/2017

Gostou? Deixe seu comentário.

VOCÊ TAMBÉM PODE FAZER UMA PESQUISA