Sou Enfermagem

Via Intra-articular Administração de Medicamentos

Via Intra-articular Administração de Medicamentos

O medicamento administrado por essa via é liberado diretamente na cavidade sinovial de uma articulação para suprimir a inflamação, atenuar a dor, ajudar a conservar a mobilidade articular, evitar contraturas e retardar a atrofia muscular.

Os medicamentos mais comumente assim administrados são corticoides, anestésicos e lubrificantes, sendo utilizados no tratamento de artrite e outras doenças articulares. Para que ocorra o efeito desses medicamentos, eles precisam ser absorvidos pelos tecidos ou pelas células.

A via intra-articular é utilizada com cautela pelos médicos, devido ao risco de infecção e à dificuldade associada à aplicação pela articulação sinovial. Essa via é contraindicada para pacientes com infecção articular, instabilidade ou fratura, infecção fúngica sistêmica, psoríase na região a ser injetada, bacteremia ou artroplastia total.

Para acessá-la, o médico utiliza seringa e agulha comum. Inicialmente, o médico aspira o líquido articular para diminuir a dor e a inflamação e au- mentar a amplitude dos movimentos do paciente. Quando necessário, pode ser realizada a coleta desse líquido para exame. Posteriormente, o médico faz a administração do medicamento. Após o término da medicação, realiza-se pressão no local e massagem da região durante 1 a 2 minutos para facilitar a absorção do medicamento. Por fim, aplica-se uma bandagem.

Material:

Para preparar a medicação:

  • Uma agulha de 2,5 cm 18 G ou 2,0 cm 26 G (o número da agulha a ser utilizada pelo médico dependerá da articulação acometida).
  • Medicamento prescrito.
  • Seringas de 3, 5, 10 ou 20 ml (uma de cada tamanho).
  • Toalhas estéreis.
  • Travesseiros.
  • Compressas de gaze
  • Luvas estéreis.
  • Cuba-rim (para o caso de vômitos).
  • Iodopovidona ou outra solução, de acordo com o protocolo da instituição.
  • Campo.
  • Lidocaína a 1%, etilcloreto ou outro anestésico.
  • Bandagem adesiva.
  • Tubos para exames para coleta de líquido sinovial.
  • Lâminas para exames, caso seja necessário.

          Procedimento:

  • Aspirar a quantidade prescrita do medicamento, com uma seringa de 5 a 10 ml. Rotular a seringa.
  • Posicionar o paciente adequadamente e estabilizar as articulações afetadas, sustentando-as com travesseiros, se necessário.
  • Usando técnica asséptica, produzir um campo estéril abrindo uma toalha ou campo estéril.
  • Colocar as agulhas dos tamanhos apropriados, seringas e compressas de gazes no campo.
  • Com luvas estéreis, o médico realizará a limpeza do local.
  • Realizar a anestesia e iniciar o procedimento, que poderá incluir a coleta de líquido ou somente a injeção de medicamento.
  • Anotar a data e a hora, o local da injeção e o nome do médico que realizou o procedimento.
  • Anotar o volume do líquido sinovial aspirado e a tolerância do procedimento pelo paciente.
  • Registrar o medicamento administrado e todas as orientações dadas ao paciente.


REFERÊNCIAS:

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Legislação vigente. Resolução RDC no 45, de 12 de março de 2003.
 .Resolução – RE no 515, de 15 de fevereiro de 2006.
 .Resolução da Diretoria Colegiada – RDC 29, de 17 de abril de 2007.
ALVES, M. A. C. Bombas de infusão: operação, funcionalidade e segurança. Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2003.
ARCURI, E. A .M. Reflexões sobre a responsabilidade do enfermeiro na administração de medicamen- tos. Rev. Escola de Enfermagem USP, 1991.
BATLOUNI, Michel; RAMIRES, José Antonio Franchini (orgs.). Farmacologia e terapêutica cardiovascu- lar. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2004.
BEVAN, J. A. et al. Interações de drogas. Fundamentos de farmacologia. São Paulo: Harper & Row do Brasil, 1979.
BRUNNER & SUDDARTH. Tratamento de pacientes com disfunção urinária e renal. In: Brunner & Suddarth. Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
CABRAL, E. I. Administração de medicamentos. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, 2002.
CARVALHO, V.T.; CASSIANI, S.H. Erros na medicação: análise das situações relatadas pelos profissionais de enfermagem. Medicina, Ribeirão Preto, jul./set. 2000.
CASSIANI, S.H.B.; RANGEL, S.M. Complicações locais pós-injeções intramusculares em adultos: revisão bibliográfica. Medicina, Ribeirão Preto, out./dez. 1999.
CHEREGATTI, Aline Laurenti; AMORIM, Carolina Padrão. As principais drogas utilizadas em UTI. São Paulo: Martinari, 2008.
CHEREGATTI, A. L; JERONIMO, R. A. S. (orgs). Manual ilustrado de enfermagem. São Paulo: Rideel, 2009. CIPRIANO, S. L.; MALUVAYSHI, C. H.; LARAGNOIT, A. P. B.; ALVES, M. E. Sistema de dispensação de me-
dicamentos em dose unitária – SDMDU. São Paulo, 2001.
COIMBRA, J. A. H.; CASSIANI, S. H. B. Responsabilidade da enfermagem na administração de medicamentos: algumas reflexões para uma prática segura com qualidade de assistência. Rev. Latino-Americana de Enfermagem, mar. 2001.
CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM. Documentos básicos de enfermagem. São Paulo, 2008.
COSTA, E.M. Registro: documentação em Enfermagem – influências e contribuições para a prática.
Cadernos de Pesquisa: cuidado é fundamental, abr./jun. 1997.
CUNHA, G.W.B. O pioneiro da dose unitária. Revista do InCor. Ano 1, n. 7, out. 1995.
 . Dose unitária: solução eficaz e eficiente. Revista Secretaria de Saúde, VI(25):14, 1997.
INSTITUTE OF MEDICINE. Committee on Quality of Health Care in America. To err is human: building a safer health care system. Washington: National Academy Press, 2000.
KNOBEL, E. Diálise peritoneal. In: Terapia intensiva: enfermagem. São Paulo: Atheneu, 2006.
 . Manuseio da dor com cateter epidural. In: Terapia intensiva: enfermagem. São Paulo: Athe- neu, 2006.
LIMA, M.J. O que é Enfermagem. In: Figueiredo, N.M.A. Práticas de Enfermagem: fundamentos, conceitos, situações e exercícios. São Paulo: Difusão Paulista de Enfermagem, 2003




Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 05/07/2018

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi