Sou Enfermagem

Punção Venosa com Scalp

Punção Venosa com Scalp

Flebotomia, a prática de tirar sangue de uma veia, é uma proficiência que todos os enfermeiros devem aprender em sua carreira. 

Embora não seja comumente ensinado na escola de enfermagem, programas recomendam estudantes de enfermagem fazer cursos extras para aprimorar essa habilidade.

A obtenção de amostras de sangue, seja através de um bastão venoso ou de uma linha central, é uma habilidade crítica de enfermagem. A flebotomia é essencial para uma variedade de diagnósticos médicos, procedimentos e testes. Sem amostras adequadas, tratamento médico inútil ou mesmo prejudicial poderia acontecer. Escolas de enfermagem não ensinam essa habilidade devido a questões de legalidade. Os estudantes devem estudar a punção venosa em livros e assistir a enfermeiras licenciadas em ambientes clínicos executar essa tarefa. Ao fazer isso, isso permitirá que os alunos aprendam noções básicas antes da formatura.

Embora a maioria dos hospitais tenha equipes de flebotomia, ainda é essencial que os enfermeiros aprendam essas habilidades para oferecer o melhor atendimento ao paciente. De fato, a maioria das unidades de terapia intensiva exige que seus enfermeiros possuam essas habilidades. Equipes de flebotomia geralmente só fazem rondas em horários específicos em ambientes hospitalares, portanto, se um teste de laboratório for pedido imediatamente, pode ser responsabilidade da equipe de enfermagem desenhar o espécime.

A prática leva à perfeição

A prática da flebotomia não é algo que pode ser aprendido estritamente ao assistir vídeos ou ler um guia prático, mas algo que deve ser praticado repetidamente em um ambiente controlado com outros profissionais treinados. É importante falar com seu supervisor para aprender as etapas para se tornar certificado em seu hospital. Cada sistema de saúde tem suas próprias necessidades antes dos enfermeiros realizarem sorteios de sangue.

A Organização Mundial da Saúde - OMS

As diretrizes de melhores práticas da Organização Mundial da Saúde (OMS) para coleta de sangue incluem:
Planejando à frente
Usando um local apropriado
Controle de qualidade


A OMS estabeleceu os seguintes padrões de atendimento ao paciente para os hospitais aderirem por:

Disponibilidade de suprimentos adequados e equipamentos de proteção
Disponibilidade de profilaxia pós-exposição (PEP)
Evitar equipamento de flebotomia contaminada
Treinamento apropriado em flebotomia
Cooperação por parte dos pacientes
Qualidade de amostragem laboratorial


Etapa 1: Identifique a veia.

O primeiro passo para tirar sangue corretamente é identificar as veias apropriadas para perfurar. Para pacientes adultos, a mais comum e primeira escolha é a veia cubital mediana na fossa antecubital. Comumente referido como o antecubital ou o AC, ele pode ser encontrado na fresta do cotovelo entre a mediana cefálica e a veia basílica mediana.

Este é um vaso extremamente grande e se preso corretamente pode produzir resultados sanguíneos excelentes. Algumas configurações de cuidados de saúde podem inserir cateteres intravenosos periféricos de sangue para este vaso para sorteios frequentes de sangue.

Para flebotomistas novatos, esta veia é a primeira escolha porque está próxima da superfície da pele e tende a não rolar quando perfurada. Além disso, tem um baixo risco de danificar os nervos, artérias e tendões adjacentes em relação às outras veias das mãos.

Aprender a anatomia das principais veias e artérias do corpo é essencial para se tornar competente em flebotomia. Se o antecub já tiver sido acessado, existem ótimas opções para punção venosa.

Outras veias comumente usadas incluem:
veia basílica
Veia cefálica


EVITE PONDERAR ESTAS ÁREAS
Embora seja importante conhecer as melhores veias para acessar, também é importante saber quais áreas devem ser evitadas.

Essas áreas incluem:
Locais edematosos (locais inchados preenchidos com líquido seroso)
Áreas com cicatrizes ou queimadas
Fístulas e enxertos
Hematomas
De uma cânula IV (a menos que permitido por sua instituição)
Locais acima de uma cânula IV no mesmo vaso
Arme com linha PICC
Braço com um coágulo sanguíneo preexistente ou atual
Braço ao lado de uma mastectomia
Via uma ferida aberta ou área de infecção
Braço no qual o sangue está sendo transfundido
Braço ao lado de um procedimento cirúrgico


Etapa 2: coletar suprimentos.


Depois de identificar o local para a coleta de sangue, reúna os suprimentos adequados necessários. Algumas instituições têm kits com todos os suprimentos necessários, enquanto outros exigem que os enfermeiros os coloquem individualmente. Uma dica importante - leve suprimentos extras para o quarto do paciente, caso precise tentar uma segunda punção venosa.

Esses suprimentos incluem:

Tubos de coleta evacuados (tubos específicos para laboratórios encomendados)
Equipamento de proteção pessoal (por exemplo, luvas)
Agulhas de sangue apropriadas
Torniquete
Desinfetante para as mãos
Álcool para desinfecção da pele
Rótulos de amostras de laboratório
Gaze
Dispositivo de transferência de sangue
Ligadura / fita adesiva
Formas de laboratório
Sacos de transporte à prova de fugas de perigo biológico
Recipiente resistente a perfurações


Etapa 3: punção venosa.

Depois de montar o equipamento apropriado, siga os próximos passos para realizar uma punção venosa adequada. Mais uma vez, por favor, esteja ciente de que estas são apenas diretrizes para coleta de sangue e os enfermeiros devem consultar o pessoal apropriado do hospital sobre a realização deste procedimento em pacientes.

Além disso, esses passos aplicam-se apenas à população adulta e pediátrica e não aos neonatos.
Explique o procedimento e o motivo da coleta de sangue para o paciente.
Identifique o paciente usando.
Confirme os testes solicitados e preencha os formulários e rótulos apropriados.
Verifique se há alguma alergia ou sensibilidade com o paciente em relação a antissépticos, adesivos ou látex. Alergias verdadeiras devem ser identificadas em uma banda de identificação de alergia, mas as sensibilidades podem não ser relatadas no momento da admissão do paciente.
Posicione o paciente e hiperestenda o braço do paciente.
Faça uma boa higiene das mãos e use EPI adequado.
Aplique um torniquete a aproximadamente 15 a 20 cm acima do local selecionado. Monitore de perto o braço para garantir que ele não seja aplicado com firmeza ou por mais de 2 minutos. Razões para preocupação incluem dormência, formigamento, mudança de cor para azul ou branco e dor extrema.
Peça ao paciente para fazer um soco e não bombear a mão. Este é um equívoco comum - bombear a mão não aumenta a circulação venosa.
Prepare o local da punção venosa, limpando a área com uma compressa de álcool por 30 segundos e deixe secar ao ar por 30 segundos. Não bata, ventile ou assopre a área, pois isso contamina a área e aumenta o risco de infecção.
Agarre o antebraço do paciente (abaixo do local da punção) com firmeza para esticar a pele e ancorar a veia de rolar. Insira a agulha em um ângulo de 15 a 30 graus no vaso.


Se o sangue inserido corretamente deve piscar no cateter. Se isso não acontecer, a agulha não perfurou a veia ou a agulha passou pelo vaso.
Anexe os tubos ou seringas necessários para remover o volume adequado de sangue. Remova o torniquete enquanto a última quantidade de sangue é retirada.
Retire a agulha do braço do paciente e pressione o vaso com gaze.
Elimine os materiais e agulhas contaminados nos recipientes aprovados pelo hospital designado.
Etiquete os tubos apropriados à beira do leito e coloque em sacos de transporte.
Entregue amostras de sangue ao laboratório prontamente. Se o sangue não for administrado em tempo hábil, pode causar hemólise e distorcer os resultados do laboratório.
Não desanime se, no início, você não acessar a veia. 

A punção venosa é uma habilidade que leva tempo e prática para dominar. Lembre-se sempre de pedir ajuda a enfermeiras experientes e aproveitar as oportunidades para praticar suas habilidades.

Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 05/07/2018

Gostou? Deixe seu comentário.