Sou Enfermagem

Forma e Apresentação dos Medicamentos

Forma e Apresentação dos Medicamentos

Os medicamentos podem ser classificados por sua forma, apresentação e, também, por sua ação. Quanto a sua forma e apresentação, os medicamentos podem ser classificados em sólidos, líquidos, semissólidos e gasosos.

Os medicamentos disponíveis na forma sólida são divididos em comprimidos, drágeas, pós, granulados, cápsulas, pílulas, supositórios e óvulos. Os medicamentos na forma líquida são as soluções, os xaropes, os elixires, as suspensões, as emulsões e os injetáveis. Já os medicamentos na forma gasosa são os aerossóis, e os semissólidos são os cremes, as pomadas, os unguentos, as loções, os géis e as pastas.

Forma sólida

  • Cápsula: o medicamento sólido ou líquido é envolvido por um invólucro de substância gelatinosa, normalmente no formato cilíndrico. Apresenta como vantagens a possibilidade de eliminar o sabor e/ou o odor desagradável do medicamento, facilitar a deglutição e a sua liberação.
  • Comprimido: o medicamento sólido (pó) é submetido à compressão e apresenta formato específico. Os comprimidos podem ou não ser revestidos por substância açucarada.
  • Drágea: normalmente é um comprimido revestido por uma substância resistente à acidez gástrica. Nesse caso, o medicamento é liberado no intestino. Apresenta as vantagens de eliminar o odor e/ou o sabor desagradável da droga, além de facilitar a deglutição e proteger o medicamento da ação estomacal. Geralmente utiliza-se em medicamentos de ação intestinal.
  • Granulado: constitui-se de pequenos grãos a serem dissolvidos em água, podendo ser efervescente ou não. Após a diluição total, o medicamento fica com aspecto líquido, o que pode favorecer a ingestão.
  • Óvulo: medicamento em forma ovoide destinado à aplicação Vaginal.

    • Pastilha: essa forma apresenta a capacidade de dissolver-se lentamente na cavidade bucal. Encontra-se disponível em vários sabores para satisfazer o paladar do paciente, facili- tando seu uso.
    • Pílula: medicamento em forma de pó submetido à compres são, tomando o formato esférico. Pode ou não ser revestido com substância açucarada .
    • : divide-se em dois tipos: os facilmente solúveis em água  e os não solúveis em água. Pode ser misturado em alimentos, para disfarçar eventual sabor desagradável.
    • Supositório: medicamento em formato cônico ou ogival, com finalidade de administração por via retal.

 Forma líquida

  • Ampola: recipiente de plástico  e/ou  de vidro, utilizado para acondicionar o medicamento líquido ou em pó. É necessário aspirar o conteúdo com seringa e agulha para administrar ao paciente.
    • Elixir: preparado líquido contendo álcool, açúcar, glicerol ou propilenoglicol. Normalmente, apresenta como caracte- rística, o sabor do álcool.
    • Emulsão: é uma solução que contém pequenas partículas de um líquido dispersas em outro líquido. Geralmente, as emulsões envolvem a dispersão de água em óleo. É neces- sário agitar antes de administrar.
    • Frasco-ampola: é o acondicionamento de medicamento em um frasco que permite a retirada de doses parciais, sendo possível o reaproveitamento da dosagem restante, conside- rando-se os cuidados necessários de manuseio e conservação. Possibilita o fracionamento da dose total em doses menores, permitindo sua reutilização.
    • Suspensão: é uma forma de apresentação em que se percebe nitidamente a forma sólida e a forma líquida. Ao agitar-se o frasco, a solução torna-se homogênea. É necessário agitar antes de administrá-la.

      Forma semissólida
    • Creme: emulsão semissólida contendo água e óleo. Apresenta boa penetração na pele.
    • Xarope: solução preparada a base de açúcar e água com adição do medicamento. Existe versão para pacientes diabéticos e para crianças, com diversos sabores. Apresenta sabor mais agradável devido à presença do açúcar .
    • Gel: formado por um material gelatinoso no qual a parte dispersa encontra-se em estado líquido, e a parte dispersante, em estado sólido .
    • Loção: formada por um pó insolúvel em água ou por substâncias dissolvidas em líquido espesso. É necessário agitar a loção antes de administrá-la.
    • Pasta: caracteriza-se pela elevada porcentagem de sólidos insolúveis em sua composição. Produz efeito protetor, oclusivo e secante na pele onde é aplicada.
    • Pomada: preparado de consistência pastosa, preferencialmente oleosa e de fácil adesão ao local de aplicação. Apresenta pouca penetração na pele.
    • Unguento: é o medicamento com aparência de papa, utilizado em áreas do organismo que estejam doloridas ou infla- madas. Pode ser extraído de plantas, gordura de animais ou resíduos minerais.

  • Um mesmo medicamento pode ser encontrado sob várias formas de apresentação, facilitando, assim, sua administração em casos de restrições. Por exemplo, a dipirona sódica pode ser encontrada nas formas líquida (gotas, soluções e injetável) e sólida (comprimidos e supositórios). A apresentação está diretamente relacionada à via de administração determinada em prescrição médica.

  •  Os profissionais da área da saúde devem saber os princípios e os conceitos de farmacologia para prestar assistência adequada. O conhecimento das várias formas de apresentação de um medicamento facilitará sua administração nos casos em que a restrição de uso ocorre pelo estado clínico do paciente.
    Por exemplo, um paciente com dificuldade de deglutição, para o qual está prescrito medicamento em comprimido, pode ser beneficiado se utilizada a forma líquida.
    A definição da forma de apresentação e da via de administração é da alçada do médico responsável pelo paciente, mas os demais profissionais podem sugerir alterações, facilitando assim a administração do medicamento.

  • O profissional de enfermagem não pode alterar a prescrição médica em nenhuma hipótese.

REFERÊNCIAS

1. Administração de medicamentos na Enfermagem. Rio de Janeiro: EPUB. 2ª ed, 2002
2. FURP - Memento Terapêutico. Secretaria de Estado da Saúde. 6ª ed., nov/95.
3. STAUT, NAÍMA DA SILVA - Manual de drogas e soluções. São Paulo: EPU, 1986.
4. ZANINI, A.C., OGA S. - Farmacologia aplicada. 5º ed. São Paulo: Atheneu, 1994.
5.FAKIH, F.T. - Manual de Diluição e administração de medicamentos injetáveis. 1ªed.
Rio de Janeiro, 2000
6. FONSECA, S.M. et al – Manual de Quimiterapia antineoplasica. 1ªed, Rio de Janeiro,
2000
7. DUNCAN, H.A. et al – Dicionário Andrei para enfermeiros e outros profissionais da
saúde, 2ªed, São Paulo, 1995




Postado por: Sou Enfermagem | Publicado em: 04/07/2018

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi