Sou Enfermagem

Vacina Oral Contra Poliomielite

Vacina Oral Contra Poliomielite

Indicação

A vacina é indicada para prevenir a poliomielite, sendo recomenda da a partir dos dois meses de idade. Situações epidemiológicas especiais podem indicar a vacinação a partir do nascimento.

Observações:

• Nas campanhas maciças, realizadas no Brasil desde 1980, a vacina contra a poliomielite tem sido administrada no grupo de zero a quatro anos, independente do estado vacinal prévio.

• As campanhas visam, sobretudo, estabelecer proteção coletiva nas comunidades, mediante a substituição do vírus selvagem circulante pelo vírus vacinal.

Contra-indicação

A vacina contra a poliomielite é contra-indicada apenas nas situações.

Observações:

• É recomendável adiar a administração da vacina no caso da pessoa estar com diarréia severa ou vômitos intensos. Em outra oportunidade, com condição clínica satisfatória, a dose será melhor aproveitada pelo organismo.

• Essa e outras contra-indicações não devem ser consideradas nas campanhas ou em bloqueios.

Composição

A vacina é constituída por três tipos de poliovírus atenuados, cultivados em células de rim de macaco. A vacina usada no Brasil tem, atualmente, a seguinte concentração de partículas virais:

• poliovírus tipo I – 1.000.000 DICT 50 (DICT - dose infectante em cultura de tecido);

• poliovírus tipo II - 100.000 DICT 50;

• poliovírus tipo III - 600.000 DICT 50.

Outras substâncias também estão presentes na vacina, como o cloreto de magnésio, a sacarose, a neomicina, a estreptomicina ou a eritromicina (estabilizantes) e o vermelho de amarante ou roxo de fenol (corante-indicador de pH).

Apresentação

A vacina contra a poliomielite é apresentada sob a forma líquida, em frasco multidoses. A enfrascagem depende do laboratório produtor, sendo apresentada, geralmente, em bisnaga de plástico.

Conservação

A vacina contra a poliomielite, na instância local, é conservada entre +2ºC e +8ºC.

Dose e volume

O esquema básico da vacina contra a poliomielite corresponde a três doses, com intervalo de 60 dias entre as mesmas. O intervalo mínimo é de 30 dias. Um reforço é administrado um ano após a terceira dose. Em situações especiais o intervalo para o reforço pode ser reduzido para até seis meses.

Cada dose, em geral, corresponde a duas gotas, podendo variar conforme especificações do laboratório produtor.

Via de administração

A vacina contra a poliomielite é administrada por via oral.

Administração

O vacinador, antes de administrar a vacina, deve:

• lavar as mãos e organizar todo o material, conforme orientado neste Manual, na Parte II, tópicos 2 e 5;

• retirar a vacina do refrigerador ou da caixa térmica, verificando o nome da mesma, bem como o prazo de validade;

Observações:

• Tanto na rotina como nas atividades extramuros (campanha, intensificação e bloqueio), a bisnaga da vacina contra a poliomielite, uma vez aberta, pode ser usada durante cinco dias úteis, desde que mantida sob temperatura adequada (+2ºC a +8ºC) e adotados os cuidados que evitem a contaminação da bisnaga:

- para verificar o prazo, registrar a data e a hora da abertura da bisnaga;

- vencido o prazo, desprezar o resto da vacina, conforme orientado neste Manual, na Parte II, tópico 3, item 3.2.

• Nos postos de grande demanda ou durante as campanhas, evitar o contato prolongado da bisnaga com o calor da mão, utilizando duas bisnagas da vacina, alternando a cada cinco pessoas vacinadas.

• preparar a pessoa, colocando-a em posição segura e confortável; quando for criança, pedir para o responsável deitá-la no colo.

O vacinador, para administrar a vacina, deve:

• inclinar a cabeça da pessoa ligeiramente para trás e fazer pressão nas bochechas;

• abrir a bisnaga e manter a tampa da mesma na mão, adotando cuidados para não contaminá-la;

• pingar as gotas da vacina sobre a língua da pessoa a ser vacinada.

Observações:

• Evitar encostar o bico do frasco na boca da pessoa para não contaminá-lo.

• Caso isso aconteça desprezar o restante das doses, conforme orientado neste Manual, na Parte II, tópico 3, item 3.2.

• Esperar a pessoa engolir a vacina; se a mesma cuspir, regurgitar ou vomitar (até uma hora depois da administração) repetir a dose.

• Não é necessário fazer intervalo entre a alimentação (inclusive leite materno) e a administração da vacina.

O vacinador, após administrar a vacina oral contra a poliomielite, deve:

• lavar as mãos, conforme orientado neste Manual, na Parte II, tópico 5, item 5.1;

• registrar o número do lote e a validade da vacina administrada

• orientar a pessoa vacinada ou seu acompanhante sobre o retorno, quando for o caso, para a complementação do esquema básico de vacinação.




Postado por: | Publicado em: 07/04/2015

Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi